Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Adrão e o Ventor

Eu nasci na serra de Soajo e Adrão, nas suas encostas, é o meu berço

Adrão e o Ventor

Eu nasci na serra de Soajo e Adrão, nas suas encostas, é o meu berço

Nasci em Adrão e, desde muito novo, iniciei as minhas caminhadas pela minha serra - a serra de Soajo. Em 2009 ouvi falar de uma cruz que tinha sido colocada no Alto da Derrilheira. Numa caminhada realizada com os meus companheiros e amigos da serra de Soajo, Luiz Perricho, António Branco e José Manuel Gameiro, fomos recebidos no nosso mais belo Miradouro como mostra esta foto.


Algumas das vacas da serra, receberam-nos e, na sua mente, terão dito: «contempla Ventor, mais uma vez, toda esta beleza que nunca esqueces. Este é o teu mundo e é nele que o Senhor da Esfera te aguarda». Tem sido sempre assim, antes e depois da Cruz.


Se quiserem conhecer Adrão, Soajo e a nossa serra, podem caminhar pelos meus posts e blogs. Para já, só vos digo que fica no Alto Minho.



Depois? Bem, depois ... vamos caminhando!


O Cantinho do Ventor
Caminhando por aí
Ventor e a África
Observar o Passado
Planeta Azul
A Grande Caminhada
A Arrelia do Quico
Os Amigos do Quico
Fotoblog do Quico
Fotoblog do Ventor
Coisas Lindas do Ventor
Rádio Ventor
Pilantras com o Ventor
Fotoblog do Pilantras
Montanhas Lindas
Os Filhos do Sol
As Belezas do Ventor
Ventor entre as Flores

rio adrão.jpeg

Aqui nasce o rio Adrão


Das melhores coisas da minha vida, foi caminhar no rio de Adrão. Até aos 15 anos e depois, à medida que por lá ia passando. Nesses tempos eu caminhava no meu rio como caminho hoje por muitos trilhos limpos.

 

O rio Adrão nasce aqui e vai perder-se enleado em matagais sem fim


22.09.18

Soajo e os seus Sabujos


Ventor

Caminhei nas ruas de Soajo, em 14 de Setembro de 2018, a "fugir" ao calor. Fotografei a estátua da concha, o Eiró com o Poleirinho e a Igreja onde fui baptizado e fiz alguma aceleração por algumas das suas ruas.

E claro, pela segunda vez, deparei-me com este fiel amigo. Eu na rua e ele deitado nas escadas. Fotografei o seu companheiro de pedra e não só e, com uma grande calma apontei-lhe a máquina e fotografei-o.

2018-09-14 15-18-12_0082.jpg

O meu amigo Sabujo de Soajo

Há amigos que de sabujos não têm nada

A posição dele foi sempre a mesma. Olhos fitados, em mim, a controlar os meus movimentos. Acenei-lhe várias vezes e mandei-lhe um beijinho com a mão na despedida. E ficamos amigos como dantes. É a segunda vez que o vejo. Nem um latido! Se calhar o dono estava na sesta e ele não o queria acordar, mantendo-se silencioso como o seu companheiro de pedra.

2018-09-14 15-19-08_0087.jpg

O Sabujo de granito que na nossa serra de Soajo simboliza uma das alcatifas do Ventor

É este o belo Sabujo de Soajo, o cão que perseguia ursos, corsos, javalis e lobos, o cão dos Reis, o cão das montarias, o cão amigo dos seus donos, o cão que foi adoptado pelas gentes de Castro Laboreiro como se fosse um cão original daquelas terras mas continuará sempre a ser o cão Sabujo de Soajo. É com este olhar que ele faz a pergunta de guerra, no seu combate, entre nuvens de confusão: "friend or foe" (amigo ou inimigo)! Se disseres friend e não o fores, não o enganarás. Ele ataca porque lê nas pupilas dos teus olhos que lhe estás a mentir. E é também nessas mesmas pupilas que ele lê se és um amigo.

Ele viu que eu era o Ventor e que o Ventor é sempre um amigo de todos os animais. Não sei o nome dele mas o "Hello, Friend" é praticamente universal. Que sejas muito feliz na tua terra de Soajo, amiguinho.


As Montanhas Lindas do Ventor, são as montanhas da serra de Soajo, da serra Amarela, do Gerês, ... são as montanhas dos meus sonhos e são, também, as montanhas de toda a minha gente

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.