Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Adrão, na Grande Caminhada do Ventor

Eu nasci na serra de Soajo e Adrão é o meu berço. É um berço de granito e os lençóis são bordados com as mais belas flores de ericas, de carquejas, de urzes e muitas outras. Caminhem comigo e vejam

Eu nasci na serra de Soajo e Adrão é o meu berço. É um berço de granito e os lençóis são bordados com as mais belas flores de ericas, de carquejas, de urzes e muitas outras. Caminhem comigo e vejam

Adrão, na Grande Caminhada do Ventor

A foto do cabeçalho mostra uma creche de vitelos no alto da Derrilheira - serra de Soajo

Podem ver aqui todos os Links dos meus Blogs. É só abrir e espreitar



Lobo na serra de Soajo

Piquenique nas Fontes, em Adrão

Último piquenique da Maria Bondeira comigo

Último sorriso da Maria Bondeira para mim

18
Mar18

Eido

Luiz Franqueira - Ventor

Eido, uma palavra que só usei quando era pequeno. Hoje vejo que, na Wikipédia, me diz que é um género de traça pertencente ao género Agonoxenidae, uma família de insectos da ordem Lepidoptera e que contém apenas quatro espécies em todo mundo. Parto do princípio que isto esteja certo mas, se não estiver, também pouco importa para o que eu pretendo.

 

 Vemos que é um animal voador semelhante a muitos que me levam algum tempo a fotografa-los ou a tentar.

 

O meu eido é outro! Chama-se lugar de Adrão, na serra de Soajo. Recordo que, nesses tempos, estivessemos onde estivessemos, a canção cantada era sempre a mesma quando a hora chegasse. "Vamos para o eido"!

Para onde vais? Vou para o eido! Então vou contigo.

 

O Google diz-me que eido é o curral, o quintal, ... o ...

Penso que já vi, algures, que "eido" tem o significado galego de lugar e tem toda a lógica que seja assim. Quando eu digo que vou para o eido não estou a dizer que vou para o curral, para o quintal. Estou a dizer que vou para casa para comer e dormir se for no fim do dia ou para comer (almoçar) se for uma passagen intermédia. Na Assureira e Boedença também há currais e nunca ouvi dizer às pessoas outra coisa que não fosse: vou para Bordença ou vou para a Assureira. Nunca diziam, vou para o eido! Só o inverso é que era verdadeiro. Por isso, concluo que eido é o sítio definitivo onde temos o espaço necessário para fazermos a nossa vida normal. Onde fazemos o caldo, onde dormimos, onde temos a nossa base principal. É a nossa casa, o nosso lugar. Neste caso, o meu eido, era o Lugar de Adrão, não era o curral, nem o quintal.

 

Em Adrão também há flores lindas. São elas que embelezam as montanhas do Ventor, nas suas caminhadas

Ventor, nas suas caminhadas | Divulga também a tua página


luis.jpg

Luiz Franqueira e o Quico

Sou eu e o meu Quico. Éramos amigos inseparáveis. O Senhor da Esfera levou-mo e, três anos depois, o mesmo Senhor da Esfera, enviou-me o Pilantras

Ticas2.jpg

Pilantras - o Ticas

O Pilantras também é lindo. A seu modo, já não fica a dever nada ao Quico. O Quico corria a meu lado a ver qual chegava primeiro ao computador. O Pilantras vai pela sucapa e ocupa a cadeira


Este é o Link da minha

Grande Caminhada

Caminharei por aqui, hoje e sempre, com o meu velho Quico na cabeça e o meu Ticas a meu lado

Ticas1.jpg

Ticas


O Cão Sabujo de Soajp

2017-09-15 14-22-58_0096.jpg

Este é o cão Sabujo de Soajo

Este cão é aquele a que hoje chamam o cão de Castro Laboreiro. Era o cão que as gentes de Soajo, segundo rezam as suas histórias e o Prof. Jorge Lage, pagavam em tributo aos reis de Portugal. Esse cão acompanhava os monteiros de Soajo nas guardas dos rebanhos e nas montarias reais


lobo-iberico.jpg

O lobo-ibérico

Irei falar, por aqui da serra de Soajo e também dos seus lobos e das suas montarias ao lobo, as únicas em que participei como observador, ainda criança. Sabemos que o lobo ibérico é uma subespécie do lobo cinzento mas também sabemos que é um animal fabuloso


DSC03018.jpg

Esta Gentiana azul, esta bela flor azul, apareceu na Corga da Vagem, depois de não haver cabras por lá

Mais sobre mim

foto do autor