Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Adrão, na Grande Caminhada do Ventor

Eu nasci na serra de Soajo e Adrão é o meu berço. É um berço de granito e os lençóis são bordados com as mais belas flores de ericas, de carquejas, de urzes e muitas outras. Caminhem comigo e vejam

Eu nasci na serra de Soajo e Adrão é o meu berço. É um berço de granito e os lençóis são bordados com as mais belas flores de ericas, de carquejas, de urzes e muitas outras. Caminhem comigo e vejam

Adrão, na Grande Caminhada do Ventor

A foto do cabeçalho mostra urzes que podiam ser das montanhas de Adrão


Lobo na serra de Soajo

Piquenique nas Fontes, em Adrão

Último piquenique da Maria Bondeira comigo

Último sorriso da Maria Bondeira para mim
20
Mai14

Continuo a Sonhar ...

Luiz Franqueira - Ventor

... com as urzes rosas ou roxas, com as urzes brancas, com as flores azuis (do S. João), jesione montana_l., por entre os fetos, com as carrascas (as nossas ericas rosadas) uma das mais belas alcatifas do mundo, ...

Sonho com as minhas caminhadas nos mais belos chãos do mundo.

Mas os mais belos chãos do mundo, são, também, para mim, os chãos do medo. O medo de ficar encostado à sombra de uma rocha, à sombra de uma urze, ou à sombra de fetos, sem hipótese de me levantar e caminhar, mesmo que lentamente, rumo à fonte mais próxima.

jesione montana_ l. ou botão azul (as nossas flores do S. João)

 Quando as vejo por aqui, quase me sinto em casa mas, nada como quando as via a embandeirar os sucalcos das lavouras de Adrão

Como é simples o meu querer!

Não peço o euromilhões, não peço uma vida de luxúria, tal como ela é entendida pelo egoísmo das pessoas. Tudo o que eu peço é simples! Caminhar nas minhas montanhas sob o tecto do meu amigo Apolo, ao lado das rainhas das montanhas, ao lado dos garranos, os cavalos semi-selvagens ou selvagens se é que ainda os há. Caminhar pelos trilhos dos lobos, ver saltar os gafanhotos, ver esvoaçar as lindas borboletas azuis e a pousarem nas flores rosadas das carrascas, beber a água cristalina das minhas fontes, das fontes da minha serra.

 Fonte da Corga da Vagem

 Fonte do Muranho

Como é belo saber que ainda existe um sítio onde nos sentimos felizes quando crianças. Estou-me a lembrar de milhões de crianças que, neste mundo só bebem água que mata, especialmente, das crianças africanas que têm de caminhar quilómetros para beberem uma água barrenta que lhe mata a sede mas que também lhe pode matar a alma. Caminhar quilómetros de cântaros à cabeça para conseguirem água para matar a sede. E dizemos nós mal da terra que nos deu força para nos expandirmos para o mundo.

Por isso, tenho saudades dos meus primórdios porque não sou pobre e mal agradecido. Agradeço ao Senhor da Esfera tudo o que me tem dado e agradeço-lhe, especialmente, o que me deu nos primeiros anos da minha vida.

Como são belos os chascos na serra de Soajo

É natural que lhe continue a pedir para me deixar subir a minha serra, que me deixe caminhar nos trilhos dos meus antepassados, que me deixe falar com as suas belezas. Eu apercebo-me da alegria dos chascos quando lá me vêm e sei que ela será igualzinha à minha. Eles têm tantas saudades minhas como eu tenho deles.

As Montanhas Lindas do Ventor, são as montanhas da serra de Soajo, da serra da Peneda, da serra Amarela, do Gerês, ... são as montanhas dos seus sonhos e são, também, as montanhas da sua gente

Ventor, nas suas caminhadas | Divulga também a tua página

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

luis.jpg

Luiz Franqueira e o Quico

Sou eu e o meu Quico. Éramos amigos inseparáveis. O Senhor da Esfera levou-mo e, três anos depois, o mesmo Senhor da Esfera, enviou-me o Pilantras

Ticas2.jpg

Pilantras - o Ticas

O Pilantras também é lindo. A seu modo, já não fica a dever nada ao Quico. O Quico corria a meu lado a ver qual chegava primeiro ao computador. O Pilantras vai pela sucapa e ocupa a cadeira


O Cão Sabujo de Soajp

2017-09-15 14-22-58_0096.jpg

Este é o cão Sabujo de Soajo

Este cão é aquele a que hoje chamam o cão de Castro Laboreiro. Era o cão que as gentes de Soajo, segundo rezam as suas histórias e o Prof. Jorge Lage, pagavam em tributo aos reis de Portugal. Esse cão acompanhava os monteiros de Soajo nas guardas dos rebanhos e nas montarias reais

Mais sobre mim

foto do autor