Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Adrão e o Ventor

Eu nasci na serra de Soajo e Adrão, nas suas encostas, é o meu berço

Adrão e o Ventor

Eu nasci na serra de Soajo e Adrão, nas suas encostas, é o meu berço

Nasci em Adrão e, desde muito novo, iniciei as minhas caminhadas pela minha serra - a serra de Soajo. Em 2009 ouvi falar de uma cruz que tinha sido colocada no Alto da Derrilheira. Numa caminhada realizada com os meus companheiros e amigos da serra de Soajo, Luiz Perricho, António Branco e José Manuel Gameiro, fomos recebidos no nosso mais belo Miradouro como mostra esta foto.


Algumas das vacas da serra, receberam-nos e, na sua mente, terão dito: «contempla Ventor, mais uma vez, toda esta beleza que nunca esqueces. Este é o teu mundo e é nele que o Senhor da Esfera te aguarda». Tem sido sempre assim, antes e depois da Cruz.


Se quiserem conhecer Adrão, Soajo e a nossa serra, podem caminhar pelos meus posts e blogs. Para já, só vos digo que fica no Alto Minho.



Depois? Bem, depois ... vamos caminhando!


O Cantinho do Ventor
Caminhando por aí
Ventor e a África
Observar o Passado
Planeta Azul
A Grande Caminhada
A Arrelia do Quico
Os Amigos do Quico
Fotoblog do Quico
Fotoblog do Ventor
Coisas Lindas do Ventor
Rádio Ventor
Pilantras com o Ventor
Fotoblog do Pilantras
Montanhas Lindas
Os Filhos do Sol
As Belezas do Ventor
Ventor entre as Flores

rio adrão.jpeg

Aqui nasce o rio Adrão


Das melhores coisas da minha vida, foi caminhar no rio de Adrão. Até aos 15 anos e depois, à medida que por lá ia passando. Nesses tempos eu caminhava no meu rio como caminho hoje por muitos trilhos limpos.

 

O rio Adrão nasce aqui e vai perder-se enleado em matagais sem fim


22.07.07

Tomás e Maria, em Adrão


Ventor

«Levou tempo, mas o Ventor lá conseguiu»!

Será este o pensamento do Tomás, tanto tempo à espera para ver as fotos que ele, a irmã, o pai e a mãe, andaram a tirar pelos meus trilhos sagrados. Sim, porque os incas tinham os seus "Trilhos Sagrados" lá por Machu Picchu, e eu também tenho os meus.

Se os incas tinham o seu vale sagrado do Unamambo, eu também tenho o meu vale sagrado "o vale do Curral das cabras".

Este era o caminho que levava o Ventor para a Assureira e o trazia

Foi em Abril que os meus "pilantrinhas" foram conhecer os trilhos do Ventor. Eles conheceram a minha escolinha e o espaço onde cresci enquanto aprendia o a, e, i, o, u. Aí o Tomás terá ficado estupfacto ao apreciar aquele pequeno edifício, fabuloso para o Ventor e compará-lo com a grandiosidade do sítio onde ele aprende, hoje, o seu a, e, i, o, u. Que mundos tão diferentes, dirá! Subiram ao Cruzeiro do Senhor da Paz e de lá desencantaram tudo aquilo que encantou o Ventor!

Este era o caminho que levava e trazia o Ventor para a sua escola do Senhor da Paz

Daquele cruzeiro ele pôde observar a grandiosidade das montanhas do Ventor, comparadas com as da linda serra onde vamos comer os nossos  travesseiros. A beleza duma debruçada sobre o mar, chorando a sua solidão e a beleza rude de todos aquele montes maravilhas que se tentam segurar uns aos outros na sua união sagrada através dos tempos telúricos, sempre esperando pelo Ventor.

O Porto d'Além! Este é o caminho que leva o Ventor ao Marco d'Além, às Fontes, a Paradela...

Terá ficado espantado quando o pai lhe mostrou a Assureira do Ventor e a sua beleza selvagem e infinita enterrada no meio de matagais sem fim e a tentar dar o braço aos seus lindos carvalhos a começarem a vestir as suas novas roupagens. Um dia mais tarde, se chegarem a caminhar por ali com o Ventor, aprenderão a destrinçar mundos tão distintos, tão diferentes e tão belos, mas nunca terão a oportunidade de passar todas as estações na sua caminhada em volta de Apolo, ano após ano, para apreciar a diferença de belezas sem fim.


As Montanhas Lindas do Ventor, são as montanhas da serra de Soajo, da serra Amarela, do Gerês, ... são as montanhas dos meus sonhos e são, também, as montanhas de toda a minha gente

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.