Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Adrão, na Grande Caminhada do Ventor

Adrão, na Grande Caminhada do Ventor


Piquenique nas Fontes, em Adrão

Último piquenique da Maria Bondeira comigo

Último sorriso da Maria Bondeira para mim


Regresso a Casa, 2015


Clicando nesta foto, podem ver as restantes que compõem o Album Regresso a Casa, com fotos dessa minha passagem por Adrão no meu regresso, rumo a Lisboa, em 2015. Também podem clicar na setinha do Flicker e ver as fotos em slideshow


15
Jul05

Adrão - A raposa

Ventor

Em Adrão, nos meus tempos de criança, haviam muitas raposas. Sempre que eu atravessava em qualquer ladeira das minhas montanhas, eu via muitas vezes uma raposa. Às vezes eram os cães que as espantavam dos seus esconderijos. Mas as raposas eram atrevidas e avarentas e isso granjeou-lhes grandes inimizades.

 

Elas tinham uma grande predilecção pelas ovelhas, e mais consistentemente pelos cordeiros, ou como nós dizíamos, pelos anhos. Depois eram as galinhas! Uma das especialidades das raposas era ir aos galinheiros ou "poleiros" apanhar galinhas e safavam-se. Mas havia o terror das raposas em Adrão. Era o meu pai! Segundo os especialistas, a pele de raposa era boa no Inverno, especialmente no mês de Janeiro. E era no Inverno que elas, com a fome, se atreviam a ir ao poleiro. Só que a raposa não se limita a matar para comer, se pode, mata por gosto!

 

 

 

Uma bela raposa

 

Bastava que alguém se queixasse que a raposa lhe roubou galinhas e lá ia, ao luar, o ti João, com a "chibata" nas mãos, pronto para dar cabo de uma raposa. E eu sabia que isso acontecia e sempre de noite. Se a raposa roubara a galinha num determinado sítio, era para os acessos a esse sítio que o ti João seguia. Ele tinha uma coisa boa que lhe permitia caçar as raposas. Não tinha medo de espíritos e por isso se deslocava só e silencioso. Algum tempo depois de sair de casa, por vezes pouco tempo, eu ouvia um tiro no silêncio da noite. Dentro de tempo igual estava uma raposa morta, em casa. Um tiro, uma raposa. Nunca falhava!

Em Adrão também há flores lindas. São elas que embelezam as montanhas do Ventor, nas suas caminhadas

Ventor, nas suas caminhadas | Divulga também a tua página

3 comentários

Comentar post

luis.jpg

Luiz Franqueira e o Quico

Sou eu e o meu Quico. Éramos amigos inseparáveis. O Senhor da Esfera levou-mo e, três anos depois, o mesmo Senhor da Esfera, enviou-me o Pilantras

Ticas2.jpg

Pilantras - o Ticas

O Pilantras também é lindo. A seu modo, já não fica a dever nada ao Quico. O Quico corria a meu lado a ver qual chegava primeiro ao computador. O Pilantras vai pela sucapa e ocupa a cadeira

Este é o Link da minha

Grande Caminhada

Caminharei por aqui, hoje e sempre, com o meu velho Quico na cabeça e o meu Ticas a meu lado

Ticas1.jpg

Ticas

O Cão Sabujo de Soajp

2017-09-15 14-22-58_0096.jpg

Este é o cão Sabujo de Soajo

Este cão é aquele a que hoje chamam o cão de Castro Laboreiro. Era o cão que as gentes de Soajo, segundo rezam as suas histórias e o Prof. Jorge Lage, pagavam em tributo aos reis de Portugal. Esse cão acompanhava os monteiros de Soajo nas guardas dos rebanhos e nas montarias reais

O lobo cinzento

Irei falar, por aqui da serra de Soajo e também dos seus lobos e das suas montarias ao lobo, as únicas em que participei como observador, ainda criança. Sabemos que o lobo ibérico é uma subespécie do lobo cinzento mas também sabemos que é um animal fabuloso

16726778_eS0z4.jpg

Falar da serra de Soajo, na qual continuo a caminhar em sonhos, não é só falar de lobos mas, também, falar das suas flores e, escolho para as representar a primeira de todas, as ericas...

DSC03018.jpg

... e depois esta Gentiana azul, esta bela flor azul, aparecida na Corga da Vagem, depois de não haver cabras por lá

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.