Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Adrão e o Ventor

Eu nasci na serra de Soajo e Adrão, nas suas encostas, é o meu berço

Adrão e o Ventor

Eu nasci na serra de Soajo e Adrão, nas suas encostas, é o meu berço

Nasci em Adrão e, desde muito novo, iniciei as minhas caminhadas pela minha serra - a serra de Soajo. Em 2009 ouvi falar de uma cruz que tinha sido colocada no Alto da Derrilheira. Numa caminhada realizada com os meus companheiros e amigos da serra de Soajo, Luiz Perricho, António Branco e José Manuel Gameiro, fomos recebidos no nosso mais belo Miradouro como mostra esta foto.


Algumas das vacas da serra, receberam-nos e, na sua mente, terão dito: «contempla Ventor, mais uma vez, toda esta beleza que nunca esqueces. Este é o teu mundo e é nele que o Senhor da Esfera te aguarda». Tem sido sempre assim, antes e depois da Cruz.


Se quiserem conhecer Adrão, Soajo e a nossa serra, podem caminhar pelos meus posts e blogs. Para já, só vos digo que fica no Alto Minho.



Depois? Bem, depois ... vamos caminhando!


O Cantinho do Ventor
Caminhando por aí
Ventor e a África
Observar o Passado
Planeta Azul
A Grande Caminhada
A Arrelia do Quico
Os Amigos do Quico
Fotoblog do Quico
Fotoblog do Ventor
Coisas Lindas do Ventor
Rádio Ventor
Pilantras com o Ventor
Fotoblog do Pilantras
Montanhas Lindas
Os Filhos do Sol
As Belezas do Ventor
Ventor entre as Flores

rio adrão.jpeg

Aqui nasce o rio Adrão


Das melhores coisas da minha vida, foi caminhar no rio de Adrão. Até aos 15 anos e depois, à medida que por lá ia passando. Nesses tempos eu caminhava no meu rio como caminho hoje por muitos trilhos limpos.

 

O rio Adrão nasce aqui e vai perder-se enleado em matagais sem fim


19.02.06

Adrão está de luto


Ventor

Mais uma vez o lugar de Adrão está de luto! Adrão e também a Várzea.

Um filho da Várzea que escolheu Adrão como destino para toda a sua vida faleceu na América. Um dos meus amigos que nunca mais esqueço deixou de ver a Luz em terras do tio Sam, junto dos seus. O ti Manel Inês, lá longe, terminou os seus dias a pensar nas suas aldeias, provavelmente com o coração nas mãos ao ver desvanecer-se a luz que nunca mais lhe iluminaria os caminhos entre a sua terra de nascimento e a sua terra de adopção, terra da sua esposa e da sua filha, a quem Deus, outrora, lhe mostrou o caminho para a terra dos sonhos.

Mais um que regressa no tal sobretudo de chumbo que vos falo sobre os destinos das gentes das aldeias de Soajo. Pois foi. Hoje mais um telefonema e mais um adeus daqueles que partilharam comigo os primeiros anos da minha vida.

Adeus ti Manel.


As Montanhas Lindas do Ventor, são as montanhas da serra de Soajo, da serra Amarela, do Gerês, ... são as montanhas dos meus sonhos e são, também, as montanhas de toda a minha gente

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.