Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Adrão e o Ventor

Eu nasci na serra de Soajo e Adrão, nas suas encostas, é o meu berço

Adrão e o Ventor

Eu nasci na serra de Soajo e Adrão, nas suas encostas, é o meu berço

Nasci em Adrão e, desde muito novo, iniciei as minhas caminhadas pela minha serra - a serra de Soajo. Em 2009 ouvi falar de uma cruz que tinha sido colocada no Alto da Derrilheira. Numa caminhada realizada com os meus companheiros e amigos da serra de Soajo, Luiz Perricho, António Branco e José Manuel Gameiro, fomos recebidos no nosso mais belo Miradouro como mostra esta foto. Algumas das vacas da serra, receberam-nos e, na sua mente, terão dito: «Contempla Ventor, mais uma vez, toda esta beleza que nunca esqueces. Este é o teu mundo e é nele que o Senhor da Esfera te aguarda». Tem sido sempre assim, antes e depois da Cruz


Se quiserem conhecer Adrão, Soajo e a nossa serra, podem caminhar pelos meus posts e blogs. Para já, só vos digo que fica no Alto Minho.



Depois? Bem, depois ... vamos caminhando!


O Cantinho do Ventor
Caminhando por aí
Ventor e a África
Observar o Passado
Planeta Azul
A Grande Caminhada
A Arrelia do Quico
Os Amigos do Quico
Fotoblog do Quico
Fotoblog do Ventor
Coisas Lindas do Ventor
Rádio Ventor
Pilantras com o Ventor
Fotoblog do Pilantras
Montanhas Lindas
Os Filhos do Sol
As Belezas do Ventor
Ventor entre as Flores

rio adrão.jpeg

Aqui nasce o rio Adrão


Das melhores coisas da minha vida, foi caminhar no rio de Adrão. Até aos 15 anos e depois, à medida que por lá ia passando. Nesses tempos eu caminhava no meu rio como caminho hoje por muitos trilhos limpos.


O rio Adrão nasce aqui e vai perder-se enleado em matagais sem fim


18.03.18

Eido


Ventor

Eido, uma palavra que só usei quando era pequeno. Hoje vejo que, na Wikipédia, me diz que é um género de traça pertencente ao género Agonoxenidae, uma família de insectos da ordem Lepidoptera e que contém apenas quatro espécies em todo mundo. Parto do princípio que isto esteja certo mas, se não estiver, também pouco importa para o que eu pretendo.

Vemos que é um animal voador semelhante a muitos que me levam algum tempo a fotografa-los ou a tentar.

O meu eido é outro! Chama-se lugar de Adrão, na serra de Soajo. Recordo que, nesses tempos, estivessemos onde estivessemos, a canção cantada era sempre a mesma quando a hora chegasse. "Vamos para o eido"!

Para onde vais? Vou para o eido! Então vou contigo.

O Google diz-me que eido é o curral, o quintal, ... o ...

Penso que já vi, algures, que "eido" tem o significado galego de lugar e tem toda a lógica que seja assim. Quando eu digo que vou para o eido não estou a dizer que vou para o curral, para o quintal. Estou a dizer que vou para casa para comer e dormir se for no fim do dia ou para comer (almoçar) se for uma passagen intermédia. Na Assureira e Boedença também há currais e nunca ouvi dizer às pessoas outra coisa que não fosse: vou para Bordença ou vou para a Assureira. Nunca diziam, vou para o eido! Só o inverso é que era verdadeiro. Por isso, concluo que eido é o sítio definitivo onde temos o espaço necessário para fazermos a nossa vida normal. Onde fazemos o caldo, onde dormimos, onde temos a nossa base principal. É a nossa casa, o nosso lugar. Neste caso, o meu eido, era o Lugar de Adrão, não era o curral, nem o quintal.


As Montanhas Lindas do Ventor, são as montanhas da serra de Soajo, da serra Amarela, do Gerês, ... são as montanhas dos meus sonhos e são, também, as montanhas de toda a minha gente