Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Adrão e o Ventor

Eu nasci na serra de Soajo e Adrão, nas suas encostas, é o meu berço

Adrão e o Ventor

Eu nasci na serra de Soajo e Adrão, nas suas encostas, é o meu berço

Nasci em Adrão e, desde muito novo, iniciei as minhas caminhadas pela minha serra - a serra de Soajo. Em 2009 ouvi falar de uma cruz que tinha sido colocada no Alto da Derrilheira. Numa caminhada realizada com os meus companheiros e amigos da serra de Soajo, Luiz Perricho, António Branco e José Manuel Gameiro, fomos recebidos no nosso mais belo Miradouro como mostra esta foto. Algumas das vacas da serra, receberam-nos e, na sua mente, terão dito: «Contempla Ventor, mais uma vez, toda esta beleza que nunca esqueces. Este é o teu mundo e é nele que o Senhor da Esfera te aguarda». Tem sido sempre assim, antes e depois da Cruz


Se quiserem conhecer Adrão, Soajo e a nossa serra, podem caminhar pelos meus posts e blogs. Para já, só vos digo que fica no Alto Minho.



Depois? Bem, depois ... vamos caminhando!


O Cantinho do Ventor
Caminhando por aí
Ventor e a África
Observar o Passado
Planeta Azul
A Grande Caminhada
A Arrelia do Quico
Os Amigos do Quico
Fotoblog do Quico
Fotoblog do Ventor
Coisas Lindas do Ventor
Rádio Ventor
Pilantras com o Ventor
Fotoblog do Pilantras
Montanhas Lindas
Os Filhos do Sol
As Belezas do Ventor
Ventor entre as Flores

rio adrão.jpeg

Aqui nasce o rio Adrão


Das melhores coisas da minha vida, foi caminhar no rio de Adrão. Até aos 15 anos e depois, à medida que por lá ia passando. Nesses tempos eu caminhava no meu rio como caminho hoje por muitos trilhos limpos.


O rio Adrão nasce aqui e vai perder-se enleado em matagais sem fim


04.07.15

Eles vieram cá


Ventor

Sim, vieram!

O Anjo da Morte e mais 6 dos seus ajudantes vieram buscar o Ventor.

As suas fatiotas eram assim, mas o chefe do grupo vestia de negro

Foi na semana passada, numa noite em que a realidade e o sonho se iam conjugando mas, sem a ajuda do Antar e com a ajuda do meu Quico safei-me. Não me conseguiram levar!

Eram sete, tal como nos Sete Magníficos. Um, o Chefe, vestido de negro, os outros seis vestidos desse azul, em cima. Entraram de roldão pelo Hall dentro e o grande chefe ordenou. Tragam-no!

Um dos seis pegou num papel e disse: "não o podemos levar"!

«Não podemos porquê»? Perguntou o Chefe.

A resposta foi: "porque o nome dele não condiz com o documento que trazemos. Ele chama-se Franqueira e o documento diz Franqueir@! Por isso Chefe, este tem de ficar".

Depois foi o diabo entre eles.

«Como raio escrevem o nome dele com arroba, que não se usa nos nomes»?

"Não interessa, temos de confirmar. Tudo o que fazemos tem de ser perfeito"!

Fiquei quase sem respiração, tomei Zirtec, tomei Cortisona, passei as passas do Algarve durante algum tempo. Por fim voltei a adormecer. Voltei a sonhar! Apareceu-me o meu Quico que me diz: «lixei os gajos! Eles queriam levar-te e eu pensei como te tirar do caminho deles. Transformei o "a" numa arroba "@". Como o trabalho tem de ser perfeito eles tiveram de desistir.

Há momentos de sorte ou será que eles andam mesmo aí!?


As Montanhas Lindas do Ventor, são as montanhas da serra de Soajo, da serra Amarela, do Gerês, ... são as montanhas dos meus sonhos e são, também, as montanhas de toda a minha gente