Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Adrão e o Ventor

Eu nasci na serra de Soajo e Adrão é o meu berço

Adrão e o Ventor

Eu nasci na serra de Soajo e Adrão é o meu berço


Lobo na serra de Soajo

Piquenique nas Fontes, em Adrão

Último piquenique da Maria Bondeira comigo

Último sorriso da Maria Bondeira para mim


25.09.10

O Castelo de Castro Laboreiro


Ventor

Agora sim!

Agora já vos posso continuar a falar daquele todo montanhoso a que passaram a chamar de Castro Laboreiro, Planalto de Castro Laboreiro, Montes Laboreiro e que eu chamo de Castrum.

Deixo-vos algumas fotos, do castelo de Castro Laboreiro e arredores, aqui, no Shutterfly

Agora, como dizia, já posso continuar a falar do castelo e das gentes de Castrum. Mas, continuo a dizer-vos que, falar das gentes de Castrum é tal e qual como falar-vos das outras gentes em volta: de Soajo, por exemplo, de Lindoso, de ...!

Subida norte para a entrada no castelo de Castro Laboreiro

Porém, há sempre alguma diferença! As gentes de Castrum, tiveram e têm o seu castelo, tiveram e têm os seus mastins, aqueles belos amigos de Castro Laboreiro, os seus cães. Os de Soajo, nunca tiveram castelo mas tiveram os seus mastins que os acompanharam pela vida fora, nas grandes caçadas. Nas duas zonas, a de Castro Laboreiro e a de Soajo, as suas populações serranas, deixaram raízes e marcas da sua presença por aquelas belas montanhas forradas de fraguedos.

 Porta norte de entrada no castelo de Castro Laboreiro

Mas existem, entre as zonas de Soajo e de Castro Laboreiro, algumas diferenças topográficas e com elas algumas diferenças nas características e nas caminhadas das suas gentes.

Não me parece que os romanos, os árabes ou outros, permanecessem muito tempo pelos arredores de Soajo. As raízes das gentes de Soajo estavam impregnadas da rigidez da sua serra e das suas lages de granito em volta das zonas do Mesio e do Gião e até, por vezes, tenho dúvidas que os árabes e os romanos tenham por lá passado e se passaram, terá sido, toca e anda! Provavelmente, já nesses velhos tempos, as gentes de Soajo e dos seus arredores seriam tentados a aplicar a teoria do pão quente na ponta da lança até esfrear. Por isso sou tentado a acreditar nessa teoria e a acreditar que talvez alguns dos eventuais invasores do nosso Minho, utilizassem a mão a servir de pala para, apenas, dar olhada. 

Alguém dá uma olhadda para sul, de onde caminhan rumo a Castro Laboreiro os fumos que se soltam do Inferno em que se tornaram os arredores de Soajo e a mata de Cabril 

Em Castro Laboreiro já não. Em Castro Laboreiro, quem foi tentado a ficar por ali, teve de meter mãos à obra e levantar o seu castelo. Uns dizem que foi obra dos árabes outros dizem que foi obra dos romanos e eu digo que, uns e outros, deitam-se a adivinhar. A verdade é que ele lá está, majestoso, embora esventrado pela explosão da pólvora, muitos tempos atrás.

Por mim, acho-o majestoso e altivo, como o monte onde ele se ergue, espreitando todos os cabeços à sua volta até terras de Espanha. As suas gentes de origem céltica, viveram protegidas pelos cabeços graníticos dos seus montes e, com a chegada dos romanos, dos árabes e sei lá de quem mais, foram tentados a organizar-se, a traçar planos como demonstram as suas pontes e o seu castelo. No caso de Soajo, que me recorde, a ponte romana mais perto, será a de Cabreiro. Talvez a ponte de Bordença tivesse uma origem romanóide bem como os resíduos de calçada que existiam nos meus tempos de puto (aproveitada pela estrada florestal para Adrão), passando por Bordença, subindo a Coroa, rumo ao Fojo, que eram os caminhos de passagem para a Peneda e, quem sabe, para Santiago de Compostela. Ainda hoje há romeiros caminhantes que perdem a cabeça e vão a pé desde a Peneda para Santiago de Compostela (eu sei de quatro mangas que ficaram pelo caminho, creio que já perto da meta mas, as bolhas não dão tréguas!). Em Soajo, não conheço nenhum painel que nos indique os caminhos de Santiago, mas em Castro Laboreiro há e diz-nos que o meu amigo Apolo é o nosso guia. Só que, o caminho de Santiago que, em Castro Laboreiro nos indica o rumo a Santiago de Compostela, nos indica também o caminho para a Senhora da Peneda, para Adrão para Soajo e por diante.

Rumo a Oeste, o meu amigo Apolo espreita-me sobre esta espécie de Menhir, sorrindo ao ver a azáfama em que me encontro a fotografar tudo em redor do meu novo castelo

Por isso, acho que, hoje, tudo é muito simples mas, antigamente, não fossem os romanos e tudo seria o diabo para encontrarmos qualquer caminho rumo a Santiago ou a outro lado qualquer. Por tudo isso, eu até acredito que, se os romanos fizeram as pontes e as calçadas que serviram para passar Santiago e os que o trasportaram, também, certamente, terão pensado melhor e, no meio da gente castreja, resolveram juntar os botões e ir a jogo. Vamos lá fazer um castelo para defendermos o couro, o nosso e o vosso, porque existe uma certa fúria, em movimento, que já varreu a Europa e agora vai varrer a Ibéria e prepara-se para nos varrer a nós também aqui, neste planalto de pinhascos.

Claro que também estou a adivinhar. Por esses tempos também eram outros os meus castelos que foram erguidos por vários azimutes de outras galáxias e como o Senhor da Esfera não me deu  o dom da adivinhice, tento eu fazer por isso.

Feito, em termos de projecto, pelos romanos, pelos árabes ou por quaisquer outros dos seus primos, ele tem, de certeza, na sua construção, o pulso do povo castrejo. E hoje, penso eu, mesmo que o seu castelo não volte, mais alguma vez, a rebentar com pólvora, penso que o povo de Castro Laboreiro irá continuar a olhar o seu castelo com orgulho porque, mesmo nas suas bases, ele continuará sempre a ser uma relíquia.

 

Um pormenor da base das grandes muralhas do castelo de Castro Laboreiro

Esse orgulho eu também sinto por um castelo que nunca tinha sido meu mas que agora também já é! Conquistei-o num dia de Agosto de 2010. Eu assaltei as suas muralhas, caminhei nele, observei os seus muros, imaginei como terão sofrido aqueles que o construiram sobre penhascos e aqueles que o viram estoirar envolto em fumo que se terá espalhado pelos seus horizontes. Essas ruínas dizem-nos que, em locais inóspitos como os da sua base, a presença dos homens foi uma caminhada constante rumo à eternidade. Nas raízes desse castelo ficou a mensagem!

As Montanhas Lindas do Ventor, são as montanhas da serra de Soajo, da serra da Peneda, da serra Amarela, do Gerês, ... são as montanhas dos seus sonhos e são, também, as montanhas da sua gente

13.09.10

Soajo, o Desastre dos Incêndios


Ventor

Os incêndios, são uma tormenta para as pessoas e seus bens;

Os incêndios, são uma tormenta para os animais domésticos, para os animais selvagens, para a flora, para ...

(Deixo-vos algumas fotos, dos fogos de Soajo, aqui, no Shutterfly)

Todos sabemos, estamos fartos de o ouvir dizer, que a maioria dos incêndios, pelo menos, muitos incêndios, são fogos postos ou então, as autoridades suspeitam disso. Também sabemos, porque fartamos-nos de o ouvir, nas TV's e companhias, que as autoridades vão apanhando suspeitos desses fogos postos.

As fraldas das minhas Montanhas Lindas, são devoradas por chamas assassinas, há 8 dias. São 8 dias de tristeza, de sofrimento de pessoas, de animais, de tudo que resiste em volta dessa fúria demoníaca.

Como já todos sabemos isso, mais ou menos, até temos um Ministro especialista a fazer as comparações de incêndios, referentes aos últimos anos e para ser franco, por essas comparações tão assíduas e por tantas outras coisas desse e de outros ministros que me vão exaucrinando os ouvidos é que eu tanto lamento pelo futuro deste país. O tal país que todos ouvimos falar que foi, porque eu não vejo que o seja, talvez na Idade Média ou no tempo da Idade da Pedra, à beira mar plantado!

Por isso, por sabermos já de tudo ou quase, sobre incêndios, eu vou falar aqui dos que me tocaram mais de perto, aqueles que, tão tristemente, vão destruindo tudo, pelas minhas Montanhas Lindas.

Quando, no sábado,  chegamos a Soajo, vindos de Castro Laboreiro, para rumarmos a Lisboa, encontramos a continuação da acção destruidora deste fogo que durava há oito dias. Saímos de Lisboa numa 2ª feira e ele tinha começado no sábado anterior e partimos com ele em plena fúria, após actos contínuos de reacendimento segundo ouvimos às autoridades

Quando saí da minha casa, caminhando rumo a Norte, levava na minha bagagem as tormentas dos incêndios, que preocupam todos mas, dois deles, preocuparam-me por todo o caminho: "o incêndio de Soajo e o incêndio da Mata de Cabril".

Quando, pela tarde, chegamos a Soajo, embora que, em lume brando, as fumarolas, os cheiros a queimado, a escuridão da área ardida ainda lá estavam. Era segunda-feira, à tarde, e nós seguimos rumo ao Hotel da Peneda.

Nos cinco dias que se seguiram, sempre que me deslocava, em redor das minhas montanhas Lindas e por terras da Galiza, não perdia de vista as fumarolas de Soajo e da Mata de Cabril. Mesmo quando não as via, aquelas zonas do céu, nas suas verticais, mostravam-me as terríficas negridões das fumarolas que subiam, como lá estariam as coisas e como tais incêndios causam tanto mal.

Enquanto os meus olhos reparavam nessa escuridão do horizonte elevado, rodando rumo a Caminha, a Baiona, na Galiza, e mais tarde rumando para Melgaço, em direcção a Castro Laboreiro, a minha alma ouvia lá longe, os gritos de tudo o que morria à passagem das terríficas labaredas. As flores dos montes de Cabril, na serra Amarela (eu gosto de tratar os bois pelos nomes) e das fraldas das minhas Montanhas Lindas, no lado oposto, gritavam quanto podiam pelo socorro do Ventor! Junto com os gritos das flores, das árvores, dos matos, chegavam os gritos de todos os outros seres vivos, os pássaros em fuga, os gafanhotos, os besouros, os coelhos, os lagartos, as lagartixas, ... tudo! Mas o Ventor nada podia fazer e nem tinha como ajudar! Ao cair da noite, junto de uma terra chamada Alcobaça, situada, algures, entre Melgaço e Castro Laboreiro, eu via lá longe as labaredas a destruir tudo, enquanto a noite descia.

Na nossa caminhada da Barragem de Lindoso (onde os Canadairs iam abastecer-se de água) para Ponte da Barca, assistimos à azáfama daqueles que se empenhavam nessa luta sem tréguas, para debelar a hidra de cabeças sem fim. Este helicóptero abastecia-se de água na barragem de Touvedo e ia despeja-la, tanto quanto possível, sobre uma das cabeças da hidra que caminhava diabolicamente rumo ao berço do Ventor - a sua Assureira e Adrão

Durante a minha caminhada pela Pedrada, ao chegar ao Muranho, uma ave espavorida, que eu nunca tinha visto, pelas minhas Montanhas Lindas, passou sobre a gente e foi pousar bem cansada sobre uma moita de urze, junto da Celeste. Eu caminhei para lá, com a máquina em posição de fotografar, mas ela, aterrada, levantou voo em direcção do sol e as duas fotos que lhe tirei, não dão para a identificar. Aposto que essa ave sentia que o seu mundo estaria para acabar!

Depois, mais tarde, na Portela de Baixo, frente à Fraga da Nédia, estive a fotografar os Canadairs que passavam sobre os montes de Paradela para se abastecerem de água na barragem de Lindoso, para despejar nas labaredas que teimavam em queimar tudo que existia em volta de Soajo. Mas nada podia deter as chamas! A noite ia cair e os Canadairs iriam deixar de poder operar e tudo iria recomeçar. Na sexta-feira tudo continuava como na véspera. Saídos de Castro Laboreiro, rumando a Arcos de Valdevez, os bichinhos e as flores que o Senhor da Esfera colocou nas minhas Montanhas Lindas, continuavam espavoridos e, muitos deles, a serem devorados pelas chamas.

Os Canadairs, abasteciam-se na Barragem de Lindoso e despejavam as águas, incansàvelmente, nas várias cabeças da hidra 

No sábado, quando estávamos de partida, rumo a Lisboa, sem desprimor para a tarefa árdua dos bombeiros, concluí que não valia a pena lançar os Canadairs e os Helicópteros contra as chamas devoradoras e insaciáveis de matos que tentam sobreviver à morte, morrendo e revivendo, deixando no seu espaço, em tempos de secura, autênticos barris de pólvora.

Pelo menos, um dos Canadairs era francês, creio que a França enviou dois e eles, religiosamente, faziam a sua caminhada de vai-vém entre a Barragem e as zonas dos incêndios, procurando tirar o maior rendimento possível da sua acção sobre a hidra

Tanto quanto me pareceu, os Canadairs, ou outros aviões que haja por aí, para apagar incêndios, ou actuam imediatamente ou, chegando tarde, a sítios como os montes do Parque da Peneda-Gerês, tornam-se, na prática, inúteis. Eles iam carregar água na barragem de Lindoso e descarrega-la, logo ali, ao lado, nos montes de Soajo. Mas, no seu vai-vem, mal despejavam a água, quando regressavam, e olhem que é bem perto, já o fogo devorava a água e tudo onde ela tinha caído.

Eu não percebo nada disso, nunca fui bombeiro embora já tenha apagado incêndios, nos tempos que os matos não eram pólvora, acho que em fogos como os de Soajo e de Cabril, dois Canadairs e helicópteros, nada podem fazer! Como não há mais, ouvi dizer na Rádio que vieram dois de Itália e dois de França, ou então foram notícias confusas, mas sei que um dos dois Canadairs que actuaram, em Soajo, no sábado, era francês. Para um fogo como o de Soajo, para debela-lo logo no primeiro dia, eu penso que só com quatro ou seis Canadairs. Depois, nem uma dúzia. As labaredas levam tudo à frente. Não é por acaso que alguém dizia: "quando julgamos que está tudo apagado ele reacende-se"!

Assim, enquanto na minha caminhada pela Pedrada as rainhas das Montanhas me perguntavam porquê (?), as flores me sorriam, inocentemente, sem se aperceberem do horror que as espreitava lá de longe

Eu pergunto: "reacende-se ou há alguém que não o quer ver apagado"? Pelo que ouvi, é uma pergunta com cabimento! Nós passamos na estrada de Soajo para Arcos de Valdevez e vimos gente de várias corporações de Bombeiros deste país, estacionados na área do Mesio. Outros encontramos pelo caminho, rumo ao mesmo destino.

Mas quando saía de Adrão e vi, lá em baixo, os montes dos dois lados do rio de Adrão a arder, pensei que nada iria escapar. Partindo do fundo de Soajo, já nos arrabaldes do velho moinho da Trapela e de Ramil, as chamas devoravam tudo. O meu pensamento foi que não haveria Canadairs que protegem-se a nossa Assureira. Os carvalhos da Assureira iriam arder todos e, com eles, os melhores tempos da minha vida!

Ainda hoje não sei onde o fogo foi detido e quantos Canadairs foram utilizados, mas olham que, se há matos pólvora, aqueles matos devem ser o mais perfeito que há! 

Estive lá em 28 de Agosto de 2006 e, este ano, a pólvora já estava com mais 4 anos de crescimento e de secura em cima.

Voltarei aqui para vos continuar a falar dos incêndios e do Parque Nacional da Peneda-Gerês, agora, mais uma Maravilha Natural de Portugal!|

As Montanhas Lindas do Ventor, são as montanhas da serra de Soajo, da serra da Peneda, da serra Amarela, do Gerês, ... são as montanhas dos seus sonhos e são, também, as montanhas da sua gente

04.09.10

Da Pedrada ao Muranho


Ventor

No Alto da Pedrada tinha de fazer opções: voltar a fazer o inverso da caminhada, descer até ao Fojo do Lobo de Gorbelas (Brusca, Seida, ?) ou, então, descer pelo lado inverso, na direcção de Arcos de Valdevez e, visitar o Fojo do Lobo cujo buraco se dirige para os montes de Travanca/Mesio e julgo chamarem-lhe o Fojo de Covas (mas, como as minhas gentes chamam vários nomes à mesma coisa, não sei). E, como seria razoável, decidi por este porque, nunca tive oportunidade de fotografar o seu buraco, devido ao matagal onde se integrava.

(Deixo-vos algumas fotos, aqui, no Shutterfly)

Um troço do muro do Fojo do Lobo de Covas. O seu braço esquerdo dirige-se, na direcção do Monte Gião, desde próximo do Alto da Pedrada, junto ao Palácio da Dourada, o Cortelho onde a vaca do ti Joaquim Brasileiro entrava para dormir a sesta

No Alto da Pedrada, cerca das 13 Horas, o vento parecia apostado em enviar-me pelo ar, rumo a Arcos de Valdevez. Soprou bem, dirigido de Castro Laboreiro e até me ajudou na descida. Lá fui rumo aos muros do Fojo que se vêm lá em baixo e cujo muro esquerdo começa, mais ou menos, no centro do Outeiro Maior, quase junto ao cortelho onde, a vaca do ti Joaquim Brasileiro, com o nome de Dourada, costumava dormir as suas sestas. Disseram-me, e eu acredito que, a Dourada, era a única vaca que tinha a mordomia de ter o seu Palácio na Pedrada.

Lá ao fundo, o Monte Gião a arder mas, na sua rectaguarda, quem vai de Ermelo para os Arcos de Valdevez, o fogo parece aterrador

Lá fui descendo e, num certo local, o telemóvel tocou. Era a minha companheira que, com a irmã e o cunhado almoçavam num tasco, em Arcos de Valdevez e, mais estavam apostados a exaucrinar-me com os seus belos pratos e bebidas frescas, enquanto eu, feito lobo solitário, continuava a descer rebocado pelo vento, sedento, sem água e com duas cervejas quentes como o caldo, enfiadas na mochila!

Algures, escondido no mato, fica o buraco do Fojo do Lobo de Covas

Fui mesmo até ao fundo do muro, ao ponto de avistar o buraco ou melhor, o local onde ele deve estar. Quando verifiquei que, descendo mais cerca de 100 a 150 metros, o meu buraco não se mostraria à minha máquina, nem esta tinha possibilidades de o rebocar até mim, desisti!

Inverti a marcha e observava o horizonte bem junto ao nariz, o que me indicava que teria de trepar muito, para chegar lá cima. Não ao cimo da Pedrada mas à cota do Olheiro do Avô, para torcer para a Corga da Vagem onde, aí sim, mataria a sede, não com água, mas com uma das garrafinhas superbock que me tinham carregado todo o trajecto. Trepando de rocha em rocha, cheio de sede e cheio de calor, cada vez mais me parecia encontrar o objectivo mais longe. Ainda me voltei para trás e tirei as medidas às encostas que me poderiam levar até ao Mesio, tentando descortinar velhos trilhos e vi uma galanta que, de cabeça no ar, me observava como que a fazer-me perguntas.

Ainda pensei seguir a minha caminhada rumo ao Mesio, mas inverti a marcha com o horizonte, bem acima da minha cabeça. Para baixo os santos e o Vento soprando de Castro Laboreiro, deram uma ajuda, mas agora? Agora, rebocar o atrelado!

Por fim quase me pareceu ouvi-la! "Trepa essas rochas Ventor, olha o vento e o fogo no Monte Gião"!

E era! Era aterrador ver as belas áreas de biodiversidade nas minhas Montanhas Lindas contorcerem-se nas chamas do horror. Como eu saberia tratar de todos esse selvagens que, propositadamente, deitam fogos no meu berço e por esse mundo fora. Há dias, que observava o fogo de Cabril, desde todos os recantos por onde caminhva, os fogos de Soajo, do Gião e outros que encontramos pelo caminho. Toda aquela visão dos pontos mais altos das minhas Montanhas Lindas se tornava macabra a meus olhos.

 

Foi aqui que o Sardão, mal enjorcado, me gozou! Força Ventor, força. Costumas dizer que subir não custa. Eu vou aqui para uma sombrinha, que me assustaste! E foi mesmo! Incrédulos ele e eu!

De repente, senti rastejar a meus pés algo que ainda não via e me tirou daquelas visões horrorosas das labaredas. Liguei a máquina e apontei-a mas, não deu tempo para disparar. Um lagarto, daqueles que nunca tinha visto, deu-me a oportunidade de o olhar antes de se meter debaixo da rocha. Era um sardão semelhante a muitos outros que já por ali tinha visto. Só que, este, não era esbelto como os meus sardões conhecidos. Era todo verde escuro, pernas grandes, grossas e rasteiras, um corpo curto e cilíndrico, bem grosso e uma cabeça grande quase metida entre as patas dianteiras.

Pensei em ficar por ali até ele voltar a sair e me desse tempo para atingir o meu objectivo - o Fojo, sobre a Coroa, onde a minha gente me largara às 10 horas da manhã.

O nosso frigorífico! Na nascente da Corga da Vagem, gelei esta cervejinha, a minha safa!

Mas a sede era muita e a distância não era pouca até chegar ao nosso "frigorífico" - a nascente da Corga da Vagem. No Olheiro do Avô ainda havia água nos lamaçais pisados pelas vacas, mas não dava para beber. Por isso dei mais uma aceleradela até à Corga da Vagem. Ali encontrei algumas "Rainhas das Montanhas", levadas pelos mesmos desígnios que os meus - beber. Eu podia arriscar beber a água, mas estava quase estagnada e, tal como na Naia, seria palco de sapos e râs. As duas cervejas que reboquei, durante horas, serviam exactamente para estes momentos. Os momentos de desilusão proporcionados pelas secas.

Parti rumo ao Alto da Derrilheira, virei-me para trás e vi ficarem as nossas rainhas da Montanha descansando com a barriga cheia de água 

Cerveja para o frigorífico, máquina a disparar sobre as nossas "Rainhas das Montanhas", os tira-olhos, as flores, ... e, num ápice, lá estava a cervejinha saída da mais bela "caixinha" onde o metal e a electricidade nada mandam.

Depois, caminhei da Corga da Vagem até ao Alto da Derrilheira, sempre observando os fogos, os Canadairs, os Helicópteros e, certamente, a esperanaça de quem dirigia essas belas máquinas, em debelar os monstros proporcionados por Vulcano. No Alto da Derrilheira, tudo faz mais sentido! Dali vejo e fotografo o meu Berço, o mais lindo berço do mundo, sem desprimor para os Berços dos outros.

Do Alto da Derrilheira tirei muitas fotos e virei-me para a esquerda, iniciando a descida para o Poulo do Muranho. Lá estavam aqueles que deveriam ser os meus companheiros de caminhada. Parece que vou de avião! Este local é, para nós, uma espécie de Santuário. E agora, para nunca o esquecermos, temos por lá, em espírito e em cinzas, o nosso amigo Joaquim - o Pequeno. Nunca o esqueceremos. Um pequeno do meu tamanho! Era Pequeno no nome, porque eram dois primos e se chamavam Joaquins. Para nós eram e ficaram sempre a ser, o Grande (o mais velho) e o Pequeno (o mais novo). Que belos tempos!

Apontei a máquina para a minha esquerda e lá está o Poulo do Muranho, os seus Cortelhos e, algures, entre as urzes, a mais bela das minhas fontes, na serra, onde sempre bebi água! Mas achei que o Muranho estava demasiado colorido. Sacos-camas, chapéus, gentes coloridas e parecia-me que não descortinava quem estaria a mais ou quem estaria a menos!

Mas a sede que tinha aguentado durante horas, estava longe de ser sanada com uma garrafinha de cerveja. Desci da Derrilheira para o Muranho e sempre em direcção da nascente do nosso contentamento. Ali cheguei, meti a outra cerveja na friza, enchi o meu célebre copo de plástico de água pura e gelada e comecei a perceber porque, por ali, estou sempre Pertinho do Céu!

Os amigos, separam-se, perdem-se, reencontam-se e arrajam-se outros! Este casal de franceses, encontrados, em Soajo, pelo Zé Manel, queriam ir conhecer as nossas Montanhas Lindas e não podiam arranjar melhor companhia que a rapaziada de Adrão. Aposto que nunca mais esquecerão o Muranho, a Pedrada e o Fojo do Lobo de Gorbelas, da Seida, da Brusca, como quiserem! Ele está no centro disso tudo!

Olhei para o lado, junto da nascente, e vi uma panela. Seria a panela do grande cozido para o Luis, o António, o Zé Manel e, vim a saber depois, para um casal de franceses, filhos da França, que ali estavam com eles e queriam conhecer as nossas Montanhas Lindas.

Tanto quanto sei, o Zé Manel encontrou-os em Soajo e ter-lhe-ão perguntado algo sobre as nossas Montanhas Lindas e ele, filho de Adrão e dos Arcos, disse-lhes o que iriam fazer no dia seguinte e convidou-os a acompanha-los se realmente os interessava. E assim foi!

Sorrisos que eu colocarei aqui se eles voltarem a aparecer e se me permitirem.

O adeus do António, em pleno Muranho. Para o Ano, se o Senhor da Esfera o permitir, assim o espero, lá nos encontraremos 

As Montanhas Lindas do Ventor, são as montanhas da serra de Soajo, da serra da Peneda, da serra Amarela, do Gerês, ... são as montanhas dos seus sonhos e são, também, as montanhas da sua gente