Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Adrão e o Ventor

Eu nasci na serra de Soajo e Adrão, nas suas encostas, é o meu berço

Adrão e o Ventor

Eu nasci na serra de Soajo e Adrão, nas suas encostas, é o meu berço

derril.jpg

 

Nasci em Adrão e, desde muito novo, iniciei as minhas caminhadas pela minha serra - a serra de Soajo. Em 2009 ouvi falar de uma cruz que tinha sido colocada no Alto da Derrilheira. Numa caminhada realizada com os meus companheiros e amigos da serra de Soajo, Luiz Perricho, António Branco e José Manuel Gameiro, fomos recebidos no nosso mais belo Miradouro como mostra esta foto. Algumas das vacas da serra, receberam-nos e, na sua mente, terão dito: «Contempla Ventor, mais uma vez, toda esta beleza que nunca esqueces. Este é o teu mundo e é nele que o Senhor da Esfera te aguarda». Tem sido sempre assim, antes e depois da Cruz

Se querem conhecer Adrão, Soajo e a nossa serra, podem caminhar pelos meus posts. Para já, só vos digo que fica no Alto Minho

13.01.10

Adrão e a Neve


Ventor

A neve que não mais vi!

Já há muitos anos que não vejo imagens reais de Adrão com neve. Ma esta é a 2ª vez que um amigo que ainda não tenho o prazer de conhecer pessoalmente, apenas virtualmente, me brinda com imagens virtuais das minhas montanhas lindas cobertas de uma alvura caída do céu.

Uma foto de Adrão tirada do lado da Coroa, talvez a caminho da Peneda e Castro Laboreiro, como em 2006  

 Mais uma foto de Adrão tirada do mesmo local

Uma foto do Senhor da Paz cheio de neve

Neste local, no Senhor da Paz, passei 4 anos de sonhos. Aqui, brincando na neve, sonhava ser grande! Neste local, tremendo de frio, à espera de entrarmos para a escola, último edifício do lado esquerdo, as brincadeiras obrigavam-nos a aquecer. "Meninos, não deixem a neve entrar para o calçado, senão ficam com os pés molhados"! Esta frase era repetida todos os anos perante a neve. Mas nós corríamos a bom correr! Dávamos tombos na neve, especialmente, quando ela começava a gelar.

O nariz vermelho do frio quase nos caía, as pontas dos dedos ficavam rochas e quantas vezes não tínhamos a certeza se as orelhas ainda estavam ligadas ao caco!

Mas, mesmo assim, a neve não passava de um belo divertimeno. 

Uma foto tirada ao cruzeiro do Senhor da Paz, o local onde a prossição, em dia de festa, vai dar a volta

Nesses tempos, não se via uma casa daqui! Apenas a primeira. Mas, nós, com neve ou sem neve fazíamos sempre as nossas caminhadas de cerca de 15 minutos, de casa para Eixão (local da escola) e, depois, mais 15 da escola para casa, sem grandes sacrifícios porque tudo era feito nessa corrida de vida, a que chamamos brincadeiras.

Uma foto da branda de Bordença, com neve, mais uma imagem de sonhos

Eis Bordença, coberta de neve. Quando o clima modava de repente, de neve para chuva, o rio de Bordença parecia o início de um dilúvio, quando esses montes lançavam a neve quase junta nas suas corgas que a canalizavam para o rio.

Mais uma vez, amigo Belmiro, agradeço-te por te lembrares que eu ando por aqui sem ver os meus montes pintados de branco.

Obrigado pelas tuas fotos.


As Montanhas Lindas do Ventor, são as montanhas da serra de Soajo, da serra Amarela, do Gerês, ... são as montanhas dos meus sonhos e são, também, as montanhas de toda a minha gente

01.01.10

Um Brinde a uma Caminhada


Ventor

Em 09 de Agosto de 2009, comemoramos a nossa chegada à Corga da Vagem com um aperitivo que estava guardado nesta garrafinha, deixada enterrada no lamaçal da nascente desde o ano anterior, pelo António.

Uma garrafinha de plástico que continha o saboroso néctar que o António tinha deixado na lama da fonte da Corga da Vagem, em 2008

O Ricard da garrafinha de plástico, saltou para os copos de plástico, uma das características da nossa civilização industrial e, depois, a mistura da água gelada e ei-lo pronto a descer pelos nossos gasganetes para empulgar a nossa animação

Os copos que estão a levar o ricard e depois a água gelada, proporções de 2 para 10 e, de seguida, ele aí vai

Hoje, sou eu que, faço um brinde solitário, àquela nossa bela caminhada, e aos meus amigos, Luis, António e Zé Manel, recordando-me, a mim mesmo, que vale sempre a pena brindar à amizade, nem que seja só. 

Um copo de ricard, em honra de vocês os três e, também  de toda a malta de Adrão que está espalhada pelo mundo. Creio que, agora, já voltamos a estar juntos.

Para todos vós, um BOM ANO de 2010.


As Montanhas Lindas do Ventor, são as montanhas da serra de Soajo, da serra Amarela, do Gerês, ... são as montanhas dos meus sonhos e são, também, as montanhas de toda a minha gente