Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Adrão e o Ventor

Eu nasci na serra de Soajo e Adrão, nas suas encostas, é o meu berço

Adrão e o Ventor

Eu nasci na serra de Soajo e Adrão, nas suas encostas, é o meu berço

Nasci em Adrão e, desde muito novo, iniciei as minhas caminhadas pela minha serra - a serra de Soajo. Em 2009 ouvi falar de uma cruz que tinha sido colocada no Alto da Derrilheira. Numa caminhada realizada com os meus companheiros e amigos da serra de Soajo, Luiz Perricho, António Branco e José Manuel Gameiro, fomos recebidos no nosso mais belo Miradouro como mostra esta foto.


Algumas das vacas da serra, receberam-nos e, na sua mente, terão dito: «contempla Ventor, mais uma vez, toda esta beleza que nunca esqueces. Este é o teu mundo e é nele que o Senhor da Esfera te aguarda». Tem sido sempre assim, antes e depois da Cruz.


Se quiserem conhecer Adrão, Soajo e a nossa serra, podem caminhar pelos meus posts e blogs. Para já, só vos digo que fica no Alto Minho.



Depois? Bem, depois ... vamos caminhando!


O Cantinho do Ventor
Caminhando por aí
Ventor e a África
Observar o Passado
Planeta Azul
A Grande Caminhada
A Arrelia do Quico
Os Amigos do Quico
Fotoblog do Quico
Fotoblog do Ventor
Coisas Lindas do Ventor
Rádio Ventor
Pilantras com o Ventor
Fotoblog do Pilantras
Montanhas Lindas
Os Filhos do Sol
As Belezas do Ventor
Ventor entre as Flores

rio adrão.jpeg

Aqui nasce o rio Adrão


Das melhores coisas da minha vida, foi caminhar no rio de Adrão. Até aos 15 anos e depois, à medida que por lá ia passando. Nesses tempos eu caminhava no meu rio como caminho hoje por muitos trilhos limpos.

 

O rio Adrão nasce aqui e vai perder-se enleado em matagais sem fim


11.09.09

Rising Up


Ventor

Olá, Boss!

Estava eu nas minhas Montanhas Lindas quando tu, olhando as Torres, em ruínas já delineavas, na cabeça e no papel, esta tua bela canção.

Só ao descer as minhas Montanhas Lindas me apercebi da afronta feita por meia dúzia de energúmenos ao atacar gente inocente.

Por isso sempre gostei desta canção. "America Rise Up"!

Nada de desânimos! 

Houve gente, em Adrão, que chorou ao ver, na televisão, as Torres serem destruídas, porque essa gente sabe que a tua terra também é terra deles e da sua gente. Muitos deles já tinham observado, de baixo para cima e de cima para baixo, as vossas Torres Gémeas e sabiam bem do que se tratava.

Contra o Terrorismo ...

... América, Rise Up!


As Montanhas Lindas do Ventor, são as montanhas da serra de Soajo, da serra Amarela, do Gerês, ... são as montanhas dos meus sonhos e são, também, as montanhas de toda a minha gente

07.09.09

A Senhora da Peneda ...


Ventor

... mais uma vez! 

Alguém que sei, gostava de mim, me ofereceu, um dia, este pratinho com a Senhora da Peneda. Alguém que sei ter sido desviada do seu trajecto, mas também sei que a Senhora da Peneda não a abandonará - a minha tia Maria que o Senhor da Esfera já tem

Também sei que este pratinho faz-me lembrar a Romaria à Senhora da Peneda, mas sei que, mesmo que este pratinho não existisse, a Romaria à Senhora da Peneda nunca seria esquecida. E sei isso porque, como o meu Quico vos conta no meu sonho com os lobos, a Senhora da Peneda, lá longe, Tal como S. bento do Cando, faziam tudo para que a minha cabeça se acalmasse. E Ela tem feito isso muitas vezes!

Por essa razão e por muitas outras, eu nunca esqueceria a Senhora da Peneda. Não é por acaso que mantenho esse pratinho aqui, junto de mim.

Apena vos recordo que, hoje, 7 de Setembro de 2009, estamos na força da Romaria da Senhora da Peneda e este post serve para lhe voltar a pedir a Ela, que vá velando por todos os que vivem ao redor e dentro das nossas Montanhas Lindas, mas que nunca esqueça todos aqueles que, mais longe ou mais perto continuam a chorar por elas e, também, que nunca esqueça todos aqueles que, neste mundo, só encontram tropeços na sua vida .

Mais uma vez deixo aqui a minha Homenagem a Pavarotti e à Senhora da Peneda, com a Avé Maria de Schubert nas minha Montanhas Lindas.


As Montanhas Lindas do Ventor, são as montanhas da serra de Soajo, da serra Amarela, do Gerês, ... são as montanhas dos meus sonhos e são, também, as montanhas de toda a minha gente

Pág. 2/2