Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Adrão e o Ventor

Eu nasci na serra de Soajo e Adrão, nas suas encostas, é o meu berço

Adrão e o Ventor

Eu nasci na serra de Soajo e Adrão, nas suas encostas, é o meu berço

Nasci em Adrão e, desde muito novo, iniciei as minhas caminhadas pela minha serra - a serra de Soajo. Em 2009 ouvi falar de uma cruz que tinha sido colocada no Alto da Derrilheira. Numa caminhada realizada com os meus companheiros e amigos da serra de Soajo, Luiz Perricho, António Branco e José Manuel Gameiro, fomos recebidos no nosso mais belo Miradouro como mostra esta foto. Algumas das vacas da serra, receberam-nos e, na sua mente, terão dito: «Contempla Ventor, mais uma vez, toda esta beleza que nunca esqueces. Este é o teu mundo e é nele que o Senhor da Esfera te aguarda». Tem sido sempre assim, antes e depois da Cruz


Se quiserem conhecer Adrão, Soajo e a nossa serra, podem caminhar pelos meus posts e blogs. Para já, só vos digo que fica no Alto Minho.



Depois? Bem, depois ... vamos caminhando!


O Cantinho do Ventor
Caminhando por aí
Ventor e a África
Observar o Passado
Planeta Azul
A Grande Caminhada
A Arrelia do Quico
Os Amigos do Quico
Fotoblog do Quico
Fotoblog do Ventor
Coisas Lindas do Ventor
Rádio Ventor
Pilantras com o Ventor
Fotoblog do Pilantras
Montanhas Lindas
Os Filhos do Sol
As Belezas do Ventor
Ventor entre as Flores

rio adrão.jpeg

Aqui nasce o rio Adrão


Das melhores coisas da minha vida, foi caminhar no rio de Adrão. Até aos 15 anos e depois, à medida que por lá ia passando. Nesses tempos eu caminhava no meu rio como caminho hoje por muitos trilhos limpos.


O rio Adrão nasce aqui e vai perder-se enleado em matagais sem fim


21.10.08

Canto à Galícia


Ventor

Caminhando pertinho do céu, pelos cabeços das minhas Montanhas Lindas, eu recordo-me sempre dos tempos em que beijava o solo, em quedas aparatosas, quer em correrias hoje impensáveis, quer quando voava pela garupa dos belos cavalos garranos que, tal como eu, só tinham aquele mundo de urzes, fetos, tojos, carrascas (as belas ericas), ervas, granitos e pouco mais.

Quando isso não acontecia, o que era raro, espreitava por sobre os cabeços das minhas belas montanhas e, observava mais ao longe, as montanhas lindas dos outros - «nuestros irmanos galegos». E, para quem não o sabe, olhem que eles também as têm!

Nesses tempos, eu observava as montanhas dos nossos amigos "manolos", que sabia que também caminhavam entre elas, observando as nossas. Mas eu sabia que, para mim, apenas existia uma terra, em Espanha, que estava sempre frente aos meus olhos - Olelas! Olá, Olelas!

Olelas fica do lado oposto à Várzea e, entre Olelas e a Várzea, corria o rio formado pelos ribeiros que descem de Castro Laboreiro e da Peneda, juntando-se um pouco mais acima da Várzea, mas hoje, esse rio foi afundado e engolido por um braço da belíssima Barragem do Alto Lindoso e, com ele, toda a veiga da Várzea.

A Várzea do lado de cá, ficou sem a sua veiga, afogada em água. Do lado de lá, está Olelas

Durante aqueles tempos, nos primórdios da minha vida, Olelas, lá estava, sempre presente frente à Cascalheira, a cumprimentar-me, lá de longe, com o seu olá especial: «olá Ventor». E, nos tempos de frios de rachar, eu dizia olá, já com as costas das mãos negras e mais negras ficavam quando olhava a veiga da Várzea e o lado galego junto ao rio, matizados de branco da geada e do verde das ervas. E, quando tentava aquecer as orelhas, até julgava que, se fizesse mais uma forcinha elas se autodestruiriam como pedaços de gelo.

Mais tarde, aprendi a observar mais de perto, «nuestros irmanos» e passei a observá-los como tal e, enquanto isso, também aprendi a olhar, do lado de lá, sobre os seus  cabeços, os cabeços do meu berço que, com o tempo, depois de conhecer muitas outras, passei a chamar-lhe as minhas Montanhas Lindas.

A Várzea e Olelas vistas da estrada por baixo da Chãe da Porca. As montanhas rochosas do lado esquerdo, lá em cima, são parte da serra da Peneda, zona de Castro Laboreiro

Hoje, recordo o Júlio Iglesias e tal como ele, canto em sonhos a mesma canção: "tenho morrinha tenha saudades"! E, se tivesse a sua voz, cantaria, bem alto, as saudades que tenho de olhar as terras de meus pais.

Foram apenas 15 anos que me marcaram para a vida toda e olhem que não era nada fácil!

Nada estará mais vivo no meu espírito do que todos os recantos das minhas Montanhas Lindas onde continuo permanentemente a caminhar sobre os seus caminhos pedregosos que nunca esqueço.

É por isso que, tal como o Júlio, cantarei: "tenho morrinha, tenho saudade"!

Um Cantico à Galiza


As Montanhas Lindas do Ventor, são as montanhas da serra de Soajo, da serra Amarela, do Gerês, ... são as montanhas dos meus sonhos e são, também, as montanhas de toda a minha gente