Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Adrão e o Ventor

Eu nasci na serra de Soajo e Adrão, nas suas encostas, é o meu berço

Adrão e o Ventor

Eu nasci na serra de Soajo e Adrão, nas suas encostas, é o meu berço

Nasci em Adrão e, desde muito novo, iniciei as minhas caminhadas pela minha serra - a serra de Soajo. Em 2009 ouvi falar de uma cruz que tinha sido colocada no Alto da Derrilheira. Numa caminhada realizada com os meus companheiros e amigos da serra de Soajo, Luiz Perricho, António Branco e José Manuel Gameiro, fomos recebidos no nosso mais belo Miradouro como mostra esta foto.


Algumas das vacas da serra, receberam-nos e, na sua mente, terão dito: «contempla Ventor, mais uma vez, toda esta beleza que nunca esqueces. Este é o teu mundo e é nele que o Senhor da Esfera te aguarda». Tem sido sempre assim, antes e depois da Cruz.


Se quiserem conhecer Adrão, Soajo e a nossa serra, podem caminhar pelos meus posts e blogs. Para já, só vos digo que fica no Alto Minho.



Depois? Bem, depois ... vamos caminhando!


O Cantinho do Ventor
Caminhando por aí
Ventor e a África
Observar o Passado
Planeta Azul
A Grande Caminhada
A Arrelia do Quico
Os Amigos do Quico
Fotoblog do Quico
Fotoblog do Ventor
Coisas Lindas do Ventor
Rádio Ventor
Pilantras com o Ventor
Fotoblog do Pilantras
Montanhas Lindas
Os Filhos do Sol
As Belezas do Ventor
Ventor entre as Flores

rio adrão.jpeg

Aqui nasce o rio Adrão


Das melhores coisas da minha vida, foi caminhar no rio de Adrão. Até aos 15 anos e depois, à medida que por lá ia passando. Nesses tempos eu caminhava no meu rio como caminho hoje por muitos trilhos limpos.

 

O rio Adrão nasce aqui e vai perder-se enleado em matagais sem fim


19.04.08

Voltei a ser Pequenino


Ventor

Sim! Voltei a ser pequenino por alguns momentos. E caminhei nestes sítios, como outrora!

 

A nossa vida é, por vezes, muito estranha!

Ontem à noite, fechei esta janela que tenho aberta para o Mundo. Saí da minha cadeira, preparei-me e fui deitar-me.

Ao dirigir-me para o meu quarto, pareceu-me que me deram um esticão no roupão, mas como foi bastante em cima, concluí que o Quico, para fazer isso, teria de saltar. Peripécias destas já me aconteceram algumas vezes.

Procurei o Quico e verifiquei que estava deitado sobre a cama, junto da sua dona e tapado com a sua mantinha. Os dois dormiam profundamente.

Entrei no quarto, deitei-me e comecei a pensar no comentário da Loba, a Keila onde me diz:

 "tive a sensação de que caminhavas pelas estradas do Paraíso, meu amigo".

De facto, o que eu gostaria mesmo, seria transformar os nossos caminhos em estradas do Paraíso.

Continuando a levar em conta o comentário desta linda Loba, chego a entender, realmente que, caso haja estradas no Paraíso, elas terão de ser, forçosamente, feitas com flores e músicas. Músicas que terão de caminhar juntamente connosco, tal como as flores.

No meio de tudo isto, avaliando a hipotética existência das estradas do Paraíso, adormeci.

Adormeci, mas comecei logo a fazer mais uma caminhada. Desta vez, sonhando!

O céu era azulinho, o sol brilhava, o dia estava lindo e eu era um caçapinho muito pequeno. A minha mãe apareceu-me vestida com uma saia de cerguilha preta com rosas em roseiras na parte inferior da roda da saia e uma blusa branca de meia manga, também florida com uma fiada de rosas por cima, mais junto ao pescoço e outra por baixo com flores selvagens muito lindas. Pegou-me na mão e, mais uma vez, quis-me levar com ela!

Caminhamos os dois juntos, entre lindas flores, nos campos de feno do Curral das Cabras como nos tempos que eu não passava de um fedelho que já adurava aqueles sítios. Os perfumes eram os de sempre: cheiro a feno, a carvalhos (o láudano dos carvalhos) aquela substância pegajosa segregada pelas folhas dos carvalhos.

oak.jpg

A beleza dos carvalhos

Lá ao fundo, no supé dos fenos, as águas do meu rio cantarolavam laudas às belezas que as envolviam, bem como à minha mãe e a mim, e do seio das flores saíam sons fabulosos que murmuravam à nossa passagem canções celestiais. À minha volta, os carvalhos eram frondosos, as cascas dos troncos dos vidoeiros branquinhas, mostravam-me filmes de outros mundos. A beleza era inigualável. Do céu, vinham as músicas e a minha mãe largou-me a mão e começou a levitar, acabando por subir rumo ao céu, caminhando sobre as notas das músicas.

Ao mesmo tempo que subia, estendeu o braço fazendo rolar a mão como se me quisesse fazer ver que, toda aquela beleza era para mim, e ia dizendo: "fica aí meu filho porque isto é lindo! Eu vou para onde pertenço, mas voltarei para passear contigo"!

Vi ela desaparecer levitando sobre os carvalhos e penetrar no azul do céu, abandonando-me mais uma vez. E foi assim que, por momentos, eu vivi aquela pequena caminhada num êxtase completo.

Voltei a acordar transpirado, com o Quico de pé, junto de mim, a olhar-me fixamente. Fiquei bem acordado extasiando-me com as vivências de uma caminhada, em sonhos.

Comecei a majicar e voltei a pensar nas estradas do Paraíso de que a Loba, a Keita, me falou. Pensei, então, que se a Loba visse as belezas que eu vi, no meu sonho, diria: «Isto sim! Isto é o Paraíso»!

Mas eu, mais uma vez, abandonei o Paraíso e voltei a caminhar nos trilhos da realidade.

Um beijinho para ti Loba e votos das tuas melhoras. Que tudo te corra bem.


As Montanhas Lindas do Ventor, são as montanhas da serra de Soajo, da serra Amarela, do Gerês, ... são as montanhas dos meus sonhos e são, também, as montanhas de toda a minha gente