Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Adrão, na Grande Caminhada do Ventor

Adrão, na Grande Caminhada do Ventor


Piquenique nas Fontes, em Adrão

Último piquenique da Maria Bondeira comigo

Último sorriso da Maria Bondeira para mim


Regresso a Casa, 2015


Clicando nesta foto, podem ver as restantes que compõem o Album Regresso a Casa, com fotos dessa minha passagem por Adrão no meu regresso, rumo a Lisboa, em 2015. Também podem clicar na setinha do Flicker e ver as fotos em slideshow


01
Mai10

As Maias

Ventor

Hoje é o dia das Maias.

 

 

 

As Mais do Ventor, captadas em Massamá, sempre abençoadas pelo meu amigo Apolo

 

Não estou em Adrão e, por isso, não vou às flores das giestas ao Curral Coberto, nem à Sarmagueira, nem a nenhum dos nossos sítios em volta das nossas Montanhas Lindas, mas eu, por aqui, vejo as giestas e, desde que despontam as suas flores, aquela coisinha amarela, no meio do seu verde escuro, não as largo mais!

 

Todos os dias das minhas caminhadas vejo uma ou outra giesta e, por isso, mesmo que a esqueça, volto a lembrá-la quando ela se veste de amarelo para mim. Ontem, eu caminhei e fotografei giestas e, hoje, eu recordando os meus velhos tempos, voltei a caminhar entre as giestas e a fotografar as flores da giesteira.

 

Por isso, vos deixo aqui, as flores das giestas, as Maias que, como ouvia dizer, antigamente, servem para espantar o mal de tudo o que nos rodeava. Elas eram colocadas nas janelas, nas portas das cortes dos nossos animais, nas portas das entradas das nossas casas, ... há lá, pelo norte de Portugal, quem as coloque nos carros, nos barcos, ... enfim, em tudo que as Maias possam intervir, ajudando contra as forças do mal.

 

Também me diziam, quando era puto, que as flores das giestas foram utlizadas por um Judas, quando a Virgem Maria fugia para o Egipto, para salvar o seu filho, Jesus ou se preferirem, Emanuel Jesus. O tal Judas, disse ao Herodes, que não valia a pena matar todas as crianças de uma determinada aldeia que, ele, iria colocar um ramo de giestas na porta da casa onde ele estaria e, assim, seriam poupadas muitas crianças,

 

Herodes aceitou a proposta e, quando os guardas reais chegaram, todas as portas da aldeia tinham, á sua chegada, um ramo de giestas amarelas, ora isso, originou um grande descalabro para as forças de Herodes e o Menino, safou-se.

 

 

 

As Maias do Ventor, captadas em Massamá

 

Que as minhas flores, das minhas giestas, tal como as giestas que ajudaram o Menino, vos ajudem a vós também.

Em Adrão também há flores lindas. São elas que embelezam as montanhas do Ventor, nas suas caminhadas

Ventor, nas suas caminhadas | Divulga também a tua página

luis.jpg

Luiz Franqueira e o Quico

Sou eu e o meu Quico. Éramos amigos inseparáveis. O Senhor da Esfera levou-mo e, três anos depois, o mesmo Senhor da Esfera, enviou-me o Pilantras

Ticas2.jpg

Pilantras - o Ticas

O Pilantras também é lindo. A seu modo, já não fica a dever nada ao Quico. O Quico corria a meu lado a ver qual chegava primeiro ao computador. O Pilantras vai pela sucapa e ocupa a a cadeira

Este é o Link da minha

Grande Caminhada

Caminharei por aqui, hoje e sempre, com o meu velho Quico na cabeça e o meu Ticas a meu lado

Ticas1.jpg

Ticas

O Cão Sabujo de Soajp

2017-09-15 14-22-58_0096.jpg

Este é o cão Sabujo de Soajo

Este cão é aquele a que hoje chamam o cão de Castro Laboreiro. Era o cão que as gentes de Soajo, segundo o Prof. Jorge Lage, pagavam em tributo aos reis de Portugal. Esse cão acompanhava os monteiros de Soajo nas guardas dos rebanhos e nas montarias reais

O lobo cinzento

Irei falar, por aqui da serra de Soajo e também dos seus lobos e das suas montarias ao lobo, as únicas em que participei como observador, ainda criança. Sabemos que o lobo ibérico é uma subespécie do lobo cinzento mas também sabemos que é um animal fabuloso

16726778_eS0z4.jpg

Falar da serra de Soajo, na qual continuo a caminhar em sonhos, não é só falar de lobos mas, também, falar das suas floes e, escolho para as representar a primeira de todas as ericas...

DSC03018.jpg

... e depoi esta, a Gentiana azul, esta bela flor azul aparecida na Corga da Vagem, depois de não haver cabras por lá

Mais sobre mim

foto do autor

Posts recentes

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.