Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Adrão, na Grande Caminhada do Ventor

Adrão, na Grande Caminhada do Ventor


Piquenique nas Fontes, em Adrão

Último piquenique da Maria Bondeira comigo

Último sorriso da Maria Bondeira para mim


Regresso a Casa, 2015


Clicando nesta foto, podem ver as restantes que compõem o Album Regresso a Casa, com fotos dessa minha passagem por Adrão no meu regresso, rumo a Lisboa, em 2015. Também podem clicar na setinha do Flicker e ver as fotos em slideshow


12
Abr13

Adrão, mais um Sonho

Ventor

De facto, os sonhos , pelo menos alguns, são autênticos fenómenos.

 

Às vezes, quando faço as minhas caminhadas por Adrão e subo até à Pedrada, quando chego ao Alto da Derrilheira, observo tudo o que se passa lá por baixo.

Uma das minhas imagens preferidas, por onde os meus olhos mais se demoram, é o Alto do Gondomil, o monte frente ao lugar de Adrão. Penso sempre em dar uma caminhada por lá, de um lado ao outro e penso iniciar essa caminhada, pelo lado do Fojo, portanto, do lado da Coroa.

 

Há bastantes noites atrás, com a minha coluna, a anca esquerda e a dobradiça da perna direita enferrojadas, estava tão aflito que achei que naquelas condições, nem Pedrada, nem Gondomil, nem nada. Estaria tramado se estivesse em Adrão!

Mas não! O Senhor da Esfera e o meu amigo Apolo, encarregaram-se de me levar fazer essa caminhada que há tantos anos não faço e só com os olhos me safo.

 

Aqui, era uma noite de chuva mas, dentro do meu cérebro, tudo se compôs.

Apareci em Adrão, num belo dia de sol, subi a Coroa, e fui até ao Fojo. Iniciei a minha subida rumo ao Alto do Gondomil e era tudo tão real que me parece, ainda hoje, tempos depois que, na verdade, eu fiz aquela caminhada.

 

 

O Alto do Gondomil visto pela minha máquina desde a subida para o Poulo do Muranho, em 2009, com uma passagem pela Chãe do Boi

 

O dia estava uma maravilha! O meu amigo Apolo, radiava a sua presença por todos os lados. A minha máquina, apertada nas minhas mãos, disparava em todas as direcções. Eu ziguezagueava para um lado e para outro.

Seguia o cume do Gondomil como uma serpente, tentando apanhar o lado da Várzea-Olelas e o lado de Adrão. Não deixava nada para trás. Quando me virei para a encosta de Adrão, via as mesmas urzes floridas de branco como as via com cerca de 12 anos, em 1958. Eram as urzes onde a raposa tentara apanhar uma ovelha à minha velha amiga, a tia Custódia. Eram as rochas, eram os tojos, eram os fetos, ... tudo como nos velhos tempos. Até Adrão era desse tempo! Nos pinheiros do Barroco e da Centieria só existiam, como então, as carrascas rosadas e o som das abelhas lá estaria. De seguida, eu iria caminhar entre as carrascas floridas e as abelhas, descendo do Gondomil em direcção ao Poulo da Fraga. Seria tudo como dantes!

 

Mas não! Deparei, lá de cima, com um grande reservatório de água que ocupava todo o espaço abaixo da nascente das fontes. A barragem começou a ser construída desde a Açoreira. Eu achava que a barragem não oferecia segurança nenhuma e, não tardaria muito, iria afogar tudo pelo rio Lima abaixo. Foi o único sinal negativo neste meu sonho. O mais real de tudo foram as fotos que eu tirava e espreitava na minha máquina. Fotografava a zona de Ribeiro de Baixo e a passagem do rio Laboreiro para os montes de Olelas, em Espanha, desde o Alto do Gondomil. Via as águas brancas que desciam o rio e estava admirado por ser verão e o rio trazer tanta água para a represa de Lindoso. Porém, na realidade, tenho dúvidas que locais de Ribeiro de Baixo que eu via na minha máquina quando aumentava o zoom, se vejam do Alto do Gondomil. Mas, o mais lindo de tudo eram as urzes floridas de branco. Do Alto do Gondomil, observava o Alto da Derrilheira e pensava como tudo era lindo visto de lá mas não era menos lindo visto cá de baixo.

Espero que, num futuro próximo, vá fazer uma caminhada pelo Alto do Gondomil!

 

 

Outra imagem, desde o Poulo do Muranho, onde se vê o monte por cima da coroa e parte de Olelas, em Espanha. Quero subir esse monte e seguir na cumeada do Gondomil

 

Eu sei que não haverão por lá muitas urzes floridas, nem as carrascas floridas do Poulo da Fraga ao Poulo da Centieira com a sua orquestra de abelhas na sua azáfama da colheita do pólen, nem a tal represa que entrou na minha cabeça mas penso que o Senhor da Esfera e o meu amigo Apolo ainda serão companheiros nessa minha caminhada de sonhos e me permitirão observar, no real, as muitas belezas que ainda por lá restarão. 

Em Adrão também há flores lindas. São elas que embelezam as montanhas do Ventor, nas suas caminhadas

Ventor, nas suas caminhadas | Divulga também a tua página

luis.jpg

Luiz Franqueira e o Quico

Sou eu e o meu Quico. Éramos amigos inseparáveis. O Senhor da Esfera levou-mo e, três anos depois, o mesmo Senhor da Esfera, enviou-me o Pilantras

Ticas2.jpg

Pilantras - o Ticas

O Pilantras também é lindo. A seu modo, já não fica a dever nada ao Quico. O Quico corria a meu lado a ver qual chegava primeiro ao computador. O Pilantras vai pela sucapa e ocupa a a cadeira

Este é o Link da minha

Grande Caminhada

Caminharei por aqui, hoje e sempre, com o meu velho Quico na cabeça e o meu Ticas a meu lado

Ticas1.jpg

Ticas

O Cão Sabujo de Soajp

2017-09-15 14-22-58_0096.jpg

Este é o cão Sabujo de Soajo

Este cão é aquele a que hoje chamam o cão de Castro Laboreiro. Era o cão que as gentes de Soajo, segundo o Prof. Jorge Lage, pagavam em tributo aos reis de Portugal. Esse cão acompanhava os monteiros de Soajo nas guardas dos rebanhos e nas montarias reais

O lobo cinzento

Irei falar, por aqui da serra de Soajo e também dos seus lobos e das suas montarias ao lobo, as únicas em que participei como observador, ainda criança. Sabemos que o lobo ibérico é uma subespécie do lobo cinzento mas também sabemos que é um animal fabuloso

16726778_eS0z4.jpg

Falar da serra de Soajo, na qual continuo a caminhar em sonhos, não é só falar de lobos mas, também, falar das suas floes e, escolho para as representar a primeira de todas as ericas...

DSC03018.jpg

... e depoi esta, a Gentiana azul, esta bela flor azul aparecida na Corga da Vagem, depois de não haver cabras por lá

Mais sobre mim

foto do autor

Posts recentes

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.