Um abraço com quarenta e tal anos de lonjura.

 

 

Adrão, visto de junto ao Cruzeiro, na Portela de cima, 12 de Agosto de 2010

 

Eu e o António, o filho do meu amigo Bernardino e da Elvira, abraçamos-nos. Foi um abraço que enrodilhou quarenta e tal anos sem nos vermos! Mas a pinta é a pinta e a pinta do meu amigo Bernardino, está estampada na cara do seu filho!

Um carro descia a Quelha da Costa e, no sítio das despedidas e dos reencontros, parou, olhou e saiu. Olhamos-nos e, depois da surpresa, abraçamos-nos.

 

Não sei quando nos voltaremos a ver ou, até, se nos voltaremos a ver, mas se não nos voltarmos a ver, seria muito bom que tivéssemos mais quarenta e tal anos de desencontros e mais um encontro semelhante a este. Só que, agora, neste mundo das novas tecnologias, não haverá espaço suficiente para nos voltarmos a perder, se nós não quisermos.

 

Provavelmente, António, quando chegares aos Estados Unidos, ao abrires o meu Blog, verás que és tu que abriste as minhas caminhadas de 2010 pelas nossas Montanhas Lindas. Eu costumo dizer as minhas Montanhas Lindas mas, eu sei que tal como eu, todos vós terão o coração a bater na esperança de, um dia, voltarem a ver, se não a Pedrada, pelo menos o Alto da Derrilheira, cá de baixo.

 

Um dia, muitos anos atrás, ainda tu só conhecias o nosso lugar de Adrão e as nossas Montanhas Lindas, eu li, algures, que o Fugi Ama era a Montanha Sagrada dos Japoneses (Montanha Sagrada?) e, nessa altura, nem me passava pela cabeça que, mais tarde, a Derrilheira e a Pedrada, viessem a ter, para mim, o mesmo significado.

 

 

Adrão, visto do cimo da Corga Grande, 12 de Agosto de 2010

 

Levei muitos anos para compreender os japoneses! Mas não tenho dúvidas que, mais alto ou mais baixo, todos os homens ou, quase todos, temos o nosso Fugi Ama.

Podem chamar a tudo isso, saudades, podem chamar-lhe nostalgia, mas seja porque motivo for, o nosso coração fica sempre para trás, retalhado. Por isso, tal como o Júlio Iglésias canta a sua Galícia, eu também canto a minha: «Tenho Morriña, tenho Saudades»!

 

Gostei muito de te ver, António. Vim a saber que tiveste alguns problemas de saúde, pela América. Espero que o Senhor da Esfera te dê, de agora em diante, a alegria e a saúde que, um dia, te terá tirado.

Já me recordo com quem a tua esposa me era parecida. Conheci uma moça de Braga, também há quarenta e tal anos; chamava-se Adelaide e já não me lembrava, mas se não há laços familiares, há, de certeza, uma parecença inconfundível. Levei tempo, mas cheguei lá! A última vez que a vi, foi na velha "Lourenço Marques", actual Maputo, em Moçambique, em 1970, onde tive uma "guarda de honra" de gente amiga e, entre todos, a Adelaide, que nunca mais vi.

 

Espero que façam uma boa viagem para a América e obrigado meu amigo, porque eu sei que estavas sempre a perguntar por mim à minha mãe. Ela estava sempre a dizer-me: o A, o B, o C, o ... já aqui estiveram e foram-se embora, com pena por não te conseguirem ver e não irem contigo à Pedrada. Também o ti Avelino, com tantos anos nas pernas, queria ir comigo à Pedrada!

 

 

O encontro, ao cair da tarde, no Muranho. Eu, o Luís e a esposa, o António, um casal francês (que apareceu por cá, turistando, com vontade de caminhar nas nossas Montanhas Lindas, teve a sorte de encontrar o Zé Manel, em Soajo que resolveu partilhar com eles essa bela caminhada, encontramo-nos, pelas 17 horas, no Muranho. Mais tarde, encontrei o Zé Manel a tratar do jipe, mais em baixo, na Ferrada. Espero que tudo esteja bem com o Jipe, Zé Manel

 

Ultimamente, tenho tido alguns companheiros nessas fantásticas caminhadas. Para todos eles o meu abraço, sem esquecer o Tomé, o cão do Zé Manel. Desta vez voltei a caminhar por lá como um lobo solitário. Ao chegar ao Muranho, lá estava o Tomé, dentro do cortelho, deitado no escuro onde me apareceram aqueles olhos vermelhos. O Tomé olhou-me com aquelas lanternas vermelhas do meio da escuridão do cortelho e disse-me: "não penses que sei deles! Eles, tal como tu, têm a mania que são lobos mas eu não. Eu sou cão! Voltei para trás e deitei-me aqui ao fresco e, entretanto, sempre tomo conta das coisas! Deixaram-me a dormir na Corga da Vagem, partiram e nem me disseram nada"!

 

Achei piada porque o Tomé só me viu o ano passado e conheceu-me! Nem um ronco, nem uma ladradela! E imagina tu que tinha lá os belíssimos ingredientes para fazerem um cozido à portuguesa!

Voltarei a falar aqui das minhas caminhadas de 2010, pelas nossas Montanhas Lindas e mostrarei algumas fotos.

Um abraço a todos. 

Em Adrão também há flores lindas. São elas que embelezam as montanhas do Ventor, nas suas caminhadas

Ventor, nas suas caminhadas | Divulga também a tua página

publicado por Ventor às 23:20