Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Adrão, na Grande Caminhada do Ventor

Adrão, na Grande Caminhada do Ventor


Piquenique nas Fontes, em Adrão

Último piquenique da Maria Bondeira comigo

Último sorriso da Maria Bondeira para mim


Regresso a Casa, 2015


Clicando nesta foto, podem ver as restantes que compõem o Album Regresso a Casa, com fotos dessa minha passagem por Adrão no meu regresso, rumo a Lisboa, em 2015. Também podem clicar na setinha do Flicker e ver as fotos em slideshow


15
Abr10

Branda da Aveleira

Ventor

Caminhar em redor das minhas Montanhas Lindas, pela base ou pelas meias encostas, colocar a mão a servir de pala e espreitar os horizontes que nos rodeiam, é já um desopilante, um acumulador de novas vitalidades.

Acredito que, aqueles que vêm de outros mundos, quer nosso, quer mesmo da estranja, se contentam em observar os cabeços dos montes e as rasgadas paisagens que nos alegram a alma, apenas, em duas ou três olhadas.

 

Mas eu sei, pelo que me dizem, que os turistas que acompanham os programas turísticos do Fabrice na sua "atitude" para com as Montanhas Lindas de seu pai, minhas e certamente, dele também - vejam Outside Atitude - os turistas já não se contentam apenas a dar olhadas.

Eles querem observar, de pé no chão, todas as maravilhas dos locais por onde passam.

 

 

 

Garranos, belezas nas minhas Montanhas Lindas

 

Quem não se atreve a colocar a "pata" no chão ou, se preferirem, o seu "par de botas", para respirarem perfumes inesquecíveis e partilharem da vida dos utentes das minhas Montanhas Lindas, nunca chegarão a conhecer a verdadeira essência daquilo que os rodeia.

É necessário saber partilhar da existência dos fabulosos companheiros das nossas caminhadas, pelas minhas Montanhas Lindas e, acredito que, vossas também.

Caminhar entre as moitas de urzes, as carqueijas, os fetos, os poulos relvados;

caminhar, subindo e descendo as encostas dos montes, deparando a cada instante, com paisagens, em constante mutação;

caminhar, transpirando, e saber apreciar as águas gostosas e frescas que brotam das entranhas da serra;

caminhar por locais onde ainda é provável que lobos se refugiem por ali, da nossa, para eles, nefasta presença e, apenas sabermos da possibilidade de se encontrarem por ali, devido aos dejectos por eles deixados, em alguns dos nossos pecursos;

caminhar entre belos gafanhotos, escaravelhos, lagartixas, lagartos (grandes sardões), cobras, libelinhas, borboletas, coelhos, perdizes, formigas, aranhas e muitos outros, como abelhas, vespas, vespinhas e vespões, caminhamos, sem sombra de dúvidas, num belo pedaço do Paraíso.

 

 

 

Garranos, belezas nas minhas Montanhas Lindas, junto à Branda da Aveleira

 

Sair fora do carro, partilhar dos espaços dos garranos, das vacas, das ovelhas, das cabras, sentir a frescura da aragem matinal coçar-nos o nariz, são, certamente, para todos que caminham pelas minhas Montanhas Lindas, momentos inesquecíveis.

 

Caminhar pela Branda da Aveleira, por St. António de Vale de Poldros, observar toda aquela beleza, onde nos inserimos, por momentos, porque não por uns dias e para nunca mais esquecermos?

Ver e ouvir o correr das águas do seu riacho que, tropeçando de pedra em pedra se dirigem, em toda a sua plenitude, rumo ao belíssimo vale do Vez e sem nunca esquecerem de voltar, na primeira oportunidade que possam ser sopradas pelas fadas de Eolo, e se voltarem a transformar nas grandes lágrimas das fadas de Neptuno, voltando assim, a ter oportunidade, de caminharem, elas também, mais uma ou várias vezes, pelas mesmas gargantas, desfiladeiros e vales dos seus sonhos.

Por lá voltarão a refrescar as margens onde esvoaçam libelinhas, tira-olhos, cantam as rãs e se aquecem cobras e lagartos, tornando uma realidade tão bela que, aposto, nunca esquecerão.

 

 

 

O riacho, rumo ao vale do Vez, na Branda da Aveleira

 

Olhar de St. Atonio de Vale de Poldros, as encostas que escorregam desde a Pedrada, descendo com mais ânimo desde a Seida, leva-nos a compreender que, o Paraíso, só não vai continuar aqui, neste nosso cantinho do Planeta Azul, se nós não quisermos.

 

Por isso, deixo aqui uma palavra de conforto e votos de prosperidade, a todos aqueles que não se esquecendo, das minhas Montanhas Lindas, procuram também, mostrá-las a outros.

 

 

 

Uma libelinha azul, no riacho da Branda da Aveleira

 

Ao Fabrice, filho de Adrão e da França e ao Pedro Alarcão e à Anabela Amendoeira, da Ecotura, os votos de que, as nossaas Montanhas Lindas continuem a ser, para vós, um esteio de felicidade no vosso caminhar. Eu não vos conheço pessoalmente mas, quem sabe, talvez um dia isso se concretize!

Para aqueles que viram o programa do Pedro Alarcão e da Anabela Amendoeira na sua pesquisa sobre os lobos em redor da Branda da Aveleira, eu recordo, estes dois que foram conquistados pelas minhas Montanhas Lindas.

 

 

 

Garranos, junto da Branda da Aveleira, que nos podem levar e trazer, nas nossas caminhadas pelas minhas Montanhas Lindas

 

E para os que não viram o programa, eles provaram-nos que os lobos, tal como outros animais, lutam intensamente para sobreviverem à pressão humana que se faz sentir em redor de todos os seus habitats.

Deixo-vos aqui um abraço e votos de êxito nas vossas caminhadas, bem como desejo um grande êxito na sobrevivência dos lobos.

 

 

 

 

 

Em Adrão também há flores lindas. São elas que embelezam as montanhas do Ventor, nas suas caminhadas

Ventor, nas suas caminhadas | Divulga também a tua página

2 comentários

Comentar post

luis.jpg

Luiz Franqueira e o Quico

Sou eu e o meu Quico. Éramos amigos inseparáveis. O Senhor da Esfera levou-mo e, três anos depois, o mesmo Senhor da Esfera, enviou-me o Pilantras

Ticas2.jpg

Pilantras - o Ticas

O Pilantras também é lindo. A seu modo, já não fica a dever nada ao Quico. O Quico corria a meu lado a ver qual chegava primeiro ao computador. O Pilantras vai pela sucapa e ocupa a a cadeira

Este é o Link da minha

Grande Caminhada

Caminharei por aqui, hoje e sempre, com o meu velho Quico na cabeça e o meu Ticas a meu lado

Ticas1.jpg

Ticas

O Cão Sabujo de Soajp

2017-09-15 14-22-58_0096.jpg

Este é o cão Sabujo de Soajo

Este cão é aquele a que hoje chamam o cão de Castro Laboreiro. Era o cão que as gentes de Soajo, segundo o Prof. Jorge Lage, pagavam em tributo aos reis de Portugal. Esse cão acompanhava os monteiros de Soajo nas guardas dos rebanhos e nas montarias reais

O lobo cinzento

Irei falar, por aqui da serra de Soajo e também dos seus lobos e das suas montarias ao lobo, as únicas em que participei como observador, ainda criança. Sabemos que o lobo ibérico é uma subespécie do lobo cinzento mas também sabemos que é um animal fabuloso

16726778_eS0z4.jpg

Falar da serra de Soajo, na qual continuo a caminhar em sonhos, não é só falar de lobos mas, também, falar das suas floes e, escolho para as representar a primeira de todas as ericas...

DSC03018.jpg

... e depoi esta, a Gentiana azul, esta bela flor azul aparecida na Corga da Vagem, depois de não haver cabras por lá

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.