Adrão, como já todos sabem, é uma aldeia nas montanhas da serra de Soajo. Mas Adrão é mais que isso. Adrão tem alma! Ou melhor, Adrão e as suas montanhas têm uma alma comum.

 

Em Julho, andei por lá uma semana, mas andei sempre em torno das nossas Montanhas Lindas. Por portas e travessas, não arranjei maneira de subir à Pedrada e, para mim, ir a Adrão sem subir à Pedrada, torna-se uma grande tristeza, pois tudo fica incompleto. Por isso, tinha de lá voltar. Tinha de complementar a minha caminhada. Sinto-me esvaziado de tudo se ando por lá e não consigo pisar os meus montes. Ali sim! Ali sinto-me em solo sagrado!

 

 

O Poulo do Muranho, fotografado do Alto da Derrilheira. No centro a beleza de uma rainha das montanhas

 

Adrão tem alma e a sua alma está impregnada nas suas Montanhas Lindas. Caminharmos nas nossas montanhas é caminharmos, sempre, ao lado da nossa gente. Todos aqueles que nasceram em Adrão e até muitos que nasceram longe, continuam a caminhar nas peugads dos seus antepassados. Todos nós, que andamos pelo mundo, caminhamos de olhos cravados nos horizontes vastos das nossas Montanhas Lindas.

 

Todos sabemos que as montanhas existentes no nosso Planeta Azul são lindas mas, algo nos diz que nem tudo está bem e concluimos que nem tudo está bem porque não sentimos nas outras montanhas a nossa alma. Quando eu caminho pelos montes que me viram crescer sinto-me a caminhar ao lado de todos que comigo partilharam a sua beleza. Todos que comigo partilharam as águas frescas das suas fontes, todos que comigo admiraram as suas flores, todos os que comigo partilharam os trilhos dos lobos.

 

 

Mãe e filho, no Alto da Derrilheira. Eles embelezam as minhas Montanhas Lindas

 

Creio, também, que estão presentes na nossa alma colectiva, na alma da nossa gente, todos os animais como as vacas, os garranos, as cabras e as ovelhas, tal como sempre estiveram.

Por isso voltei a Adrão apenas para subir à Pedrada e fi-lo, no domingo, com mais três companheiros de caminhada que tal como eu, partilhamos essa alegria com todos aqueles que, através dos tempos, caminharam, por ali. Hoje nós fazêmo-lo por prazer e por amizade para com todos eles que, tal como eu, e alguns de nós, caminhavam por obrigação e necessidade. Eu também tive necessidade de fazer essas caminhadas e, por vezes com alguns sacrifícios, que acabávamos por levar a brincar.

 

Mas hoje, caminhar, nas minhas Montanhas Lindas, caminhar entre os garranos, caminhar entre  as rainhas das montanhas, é caminhar pela vida, é caminhar no sonho.

Em Adrão também há flores lindas. São elas que embelezam as montanhas do Ventor, nas suas caminhadas

Ventor, nas suas caminhadas | Divulga também a tua página

publicado por Ventor às 00:47