Os anos rolam e a Senhora da Peneda, lá está, debaixo das rochas da Meadinha.

Normalmente, quando por lá apareço, não é em dias de festa. Sim, porque as festas já acabaram!

 

Mas eu sei que, se as festas acabaram para mim, elas nunca irão acabar para a Senhora da Peneda.

 

 

Um pratinho com a Senhora da Peneda que alguém teve a amabilidade de me oferecer

 

Segundo a mente de cada um, ela vai velando por uns e por outros, à sua maneira e à maneira deles. Quando eu era miúdo, à moda da terra, disputava os santos todos que conhecia. Todos eles, segundo a tradição, poderiam dar a sua pequena ou grande ajuda.

 

Normalmente, eu nada pedia para mim mas, sempre que convinha, lá estava aqui o vosso amigo a pedir a intervenção de algum dos seus amigos. Ás vezes era o Senhor da Paz, sempre que ouvia falar de guerras, como na invasão da Hungria, em 1956, saí da minha escola e, espreitando-O, por uma janela ou pela porta, talvez influenciado pela linguagem dos mais velhos, fui-lhe pedir para ajudar os húngaros.

 

Outras vezes, para ajudarem que os lobos não matassem alguma das minhas vacas ou algum dos vitelos quando os havia, eu pedia a algum deles para os guardar. Normalmente, a Senhora da Peneda, olharia pelas minhas montanhas lindas e pelos seus gados e, se não pudesse, lá estaria o Santo António para a ajudar. Santo António era homem, era forte e lá estaria para palmilhar as montanhas, tal como faria o Ventor, com melhor pedalada que a que a Senhora da Peneda, mulher, seria capaz de aplicar. Nos meus pensamentos de criança eles todos estariam arrigementados ao cumprimento de alguma tarefa que pudesse agradar às suas gentes.

 

Na verdade, não sendo um religioso por aí além, continuo sempre com os meus amigos de outrora. Eles não me pesam e não me fazem mal e, por essas e outras razões, podem muito bem continuar a caminhar a meu lado e eu a lado deles. Não é por acaso que desde o dia 1 de Setembro eu continuo a pensar na Meadinha, na Senhora da peneda e nas minhas Montanhas Lindas.

 

 

A Senhora da Peneda é uma beleza presente nas minhas Montanhas Lindas

 

São oito dias de devoção para muita gente, de devoção e de festa para outros tantos e de grande festa para a grande maioria. Não haverá os fogos festivos de antigamente, como será óbvio mas, provavelmente, continuarão a haver os bailes, as concertinas, os bombos, as gaitas, os cantares e sei lá que mais.

 

Por isso, eu continuo, aqui da minha janela, a homenagear a Senhpra da Peneda e todos aqueles que, por qualquer razão marcam presença nos belos festejos. Eu sei que Ela continua a espreitar-me e a dizer-me: "olá Ventor"!

 

E eu continuo, aqui, de olho na Sua Romaria, de 1 a 8 de Setembro!

Em Adrão também há flores lindas. São elas que embelezam as montanhas do Ventor, nas suas caminhadas

Ventor, nas suas caminhadas | Divulga também a tua página

publicado por Ventor às 15:12