«Levou tempo, mas o Ventor lá conseguiu»!

 

Será este o pensamento do Tomás, tanto tempo à espera para ver as fotos que ele, a irmã, o pai e a mãe, andaram a tirar pelos meus trilhos sagrados. Sim, porque os incas tinham os seus "Trilhos Sagrados" lá por Machu Picchu, e eu também tenho os meus.

Se os incas tinham o seu vale sagrado do Unamambo, eu também tenho o meu vale sagrado "o vale do Curral das cabras".

 

 

Este era o caminho que levava o Ventor para a Assureira e o trazia

 

Foi em Abril que os meus "pilantrinhas" foram conhecer os trilhos do Ventor. Eles conheceram a minha escolinha e o espaço onde cresci enquanto aprendia o a, e, i, o, u. Aí o Tomás terá ficado estupfacto ao apreciar aquele pequeno edifício, fabuloso para o Ventor e compará-lo com a grandiosidade do sítio onde ele aprende, hoje, o seu a, e, i, o, u. Que mundos tão diferentes, dirá! Subiram ao Cruzeiro do Senhor da Paz e de lá desencantaram tudo aquilo que encantou o Ventor!

 

 

Este era o caminho que levava e trazia o Ventor para a sua escola do Senhor da Paz

 

Daquele cruzeiro ele pôde observar a grandiosidade das montanhas do Ventor, comparadas com as da linda serra onde vamos comer os nossos  travesseiros. A beleza duma debruçada sobre o mar, chorando a sua solidão e a beleza rude de todos aquele montes maravilhas que se tentam segurar uns aos outros na sua união sagrada através dos tempos telúricos, sempre esperando pelo Ventor.

 

 

O Porto d'Além! Este é o caminho que leva o Ventor ao Marco d'Além, às Fontes, a Paradela...

 

Terá ficado espantado quando o pai lhe mostrou a Assureira do Ventor e a sua beleza selvagem e infinita enterrada no meio de matagais sem fim e a tentar dar o braço aos seus lindos carvalhos a começarem a vestir as suas novas roupagens. Um dia mais tarde, se chegarem a caminhar por ali com o Ventor, aprenderão a destrinçar mundos tão distintos, tão diferentes e tão belos, mas nunca terão a oportunidade de passar todas as estações na sua caminhada em volta de Apolo, ano após ano, para apreciar a diferença de belezas sem fim.

Em Adrão também há flores lindas. São elas que embelezam as montanhas do Ventor, nas suas caminhadas

Ventor, nas suas caminhadas | Divulga também a tua página

publicado por Ventor às 23:29